Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Meirelles sinaliza expansão próxima de 2% do PIB em 2009

A projeção oficial do Banco Central para o PIB brasileiro só será conhecida na próxima segunda-feira, 30

Célia Froufe, da Agência Estado,

27 de março de 2009 | 19h29

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, traçou um cenário otimista para a economia brasileira em 2009 para um grupo de senadores do PTB, durante almoço realizado nesta sexta-feira, 27, em Brasília, e sinalizou que o País crescerá entre 1,5% e 2% este ano, conforme relato dos participantes do encontro. "Ele nos disse que o país vai crescer pelo menos 2 pontos porcentuais acima da média mundial", contou o senador Sérgio Zambiasi (RS).

 

Veja também:

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

A projeção oficial do BC para o PIB brasileiro só será conhecida na próxima segunda-feira, às 8h30, por meio do Relatório Trimestral de Inflação. No documento com as estimativas do BC, divulgado ao final de dezembro, a previsão era de expansão econômica de 3,20% em 2009.

 

A variação do PIB sinalizada por Meirelles aos senadores esta semana estaria em linha com outra pista dada pelo ministro na última terça-feira, durante audiência pública, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Na ocasião, Meirelles havia dito que as estimativas do mercado estavam "um pouco pessimistas". De acordo com a Pesquisa Focus da última segunda-feira, a mediana das previsões era de expansão do PIB de 0,01%.

 

Durante as discussões com senadores do PTB no almoço a respeito da economia brasileira, Meirelles buscou manter o otimismo em todo o momento. Segundo o senador Romeu Tuma (SP), o presidente do BC teria listado o comportamento do PIB de vários países e indicado que a projeção é a de que a maioria deles registraria taxas negativas no acumulado deste ano. "No Brasil, a situação seria diferente, com expectativa de expansão", relatou o senador, acrescentando que Meirelles não se estendeu mais sobre o tema porque as estimativas sairiam segunda-feira.

 

O senador Gim Argello (DF) foi mais enfático, dizendo que a fala de Meirelles indicou crescimento além da taxa de 2,00%. "O Brasil está muito bem preparado, a expansão pode chegar próxima até a 2,50%".

 

Argello acrescentou, contudo, que o presidente do BC teria afirmado que a expansão da atividade nos primeiros dois meses deste ano seguia baixa, ainda que em terreno positivo. "O mercado interno está reagindo bem", resumiu.

 

Mais do que as impressões do presidente do Banco Central a respeito dos desdobramentos da economia brasileira, o almoço rendeu um convite para que o ministro integrasse os quadros do partido. Meirelles, segundo os senadores que participaram do encontro, teria agradecido a oportunidade, mas sinalizado que qualquer filiação de sua parte não seria para este momento. Esta não é a primeira vez que Meirelles recebe o chamado do PTB, mas, como das outras vezes, teria dito que, no momento, continuaria a ajudar o presidente Lula.

 

Dentro do partido, a preferência seria a de que, se o presidente do BC aceitasse a integração, concorresse à vaga de governador de Goiás em 2010. A avaliação do PTB é a de que as chances de vitória de Meirelles nessa disputa seriam grandes porque ele goza de prestígio na região. Caso o ministro optasse por concorrer ao Senado por Goiás, também não haveria obstáculos por parte do PTB. "Quem é cantado, tem direito a escolher", comentou Tuma. "Uma pessoa do tamanho dele escolhe o cargo que quiser dentro do partido", acrescentou Zambiasi. Ele ainda lembrou que os convites ao presidente do BC começaram em 2005, mas garantiu que não há qualquer tipo de pressão do partido. "É apenas o reconhecimento do trabalho de um homem público", argumentou.

Tudo o que sabemos sobre:
Henrique MeirellesBC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.