Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Meirelles vai tomar decisão sobre deixar Fazenda até a próxima terça

Ministro disse que ainda vai avaliar ida para o MDB e se aceitaria ser vice em uma chapa encabeçada pelo presidente Michel Temer

Lorenna Rodrigues e Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

27 Março 2018 | 11h47

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que pretende tomar a decisão sobre deixar o Ministério da Fazenda até a próxima terça-feira, 3 de abril. "Ainda temos um longo fim de semana pela frente", afirmou, após participar de seminário sobre a privatização da Eletrobras no Tribunal de Contas da União (TCU). 

+ 'Eu e Meirelles consideramos todas as possibilidades', afirma Temer

Questionado se aceitaria ir para o MDB sem a garantia de ser o candidato à presidência do partido, ou se aceitaria ser vice em uma chapa encabeçada pelo presidente Michel Temer, Meirelles respondeu que todas essas questões farão parte de suas avaliações. O ministro disse que receberá pesquisas qualitativas e terá conversas com partidos para tomar uma decisão.

Em relação à sua sucessão no Ministério da Fazenda, Meirelles disse que o grupo de secretários que montou na pasta é "de primeiríssima qualidade" e é reconhecido no mercado e na imprensa. "Não tenho dúvida de que é um bom problema para se ter. O problema de escolher entre um grupo muito qualificado de candidatos caso eu decida sair do governo, caso isso seja uma consequência de uma eventual candidatura", afirmou. 

+ 'Eu e Meirelles consideramos todas as possibilidades', afirma Temer

Caixa. Sobre mudanças no comando da Caixa, o ministro da Fazenda disse que o que está em discussão é que o Banco Central tenha que aprovar os dirigentes do banco, adotando os mesmo critérios utilizados para outras instituições privadas e estaduais, como experiência e profissionalismo. 

+ Meirelles quer Eduardo Guardia como seu substituto no Ministério da Fazenda

"O presidente Gilberto Occhi não tomou decisão de sair. É uma possibilidade, mas não é uma decisão tomada não", afirmou. "O que estamos fazendo é algo muito maior do que isso. Estamos fixando critérios para que, no futuro, sempre que houver nomeações, isso seja feito por critérios profissionais."

+ ‘Não sou o candidato do mercado financeiro,’ afirma João Amoêdo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.