Melhor proposta para Rodoanel prevê pedágio de R$ 1,17

Em leilão nesta 3ª, Companhia de Concessões Rodoviárias apresentou melhor proposta pelo trecho oeste

Beth Moreira, da Agência Estado,

11 de março de 2008 | 11h03

A Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR) apresentou a melhor proposta pelo trecho oeste do Rodoanel, nesta terça-feira, 11, com uma tarifa de pedágio de R$ 1,1684. O valor representa um deságio de 61,05% sobre o teto de R$ 3,00 estipulado no edital da concessão. A proposta foi R$ 0,0916 menor que a da segunda colocada, a R$ 1,26, do consórcio formado por BR Vias, Odebrecht e Cibe. A proposta da CCR foi feita em conjunto com a Encalso, no consórcio Integração Oeste. Veja também: Pedágio de R$ 1,16 no Rodoanel não surpreende, diz Arce O próximo passo do processo será a análise técnico-jurídica e financeira da proposta da CCR. Se tudo estiver em ordem, a empresa então será declarada a vencedora. Segundo a CCR, a previsão é que a conclusão dessa avaliação ocorra ainda nesta terça e que a assinatura do contrato seja no dia 11 de junho.  Assim como foi no leilão de rodovias federais realizado em outubro do ano passado, vence a empresa que apresenta a menor proposta de pedágio. A cobrança está prevista para vigorar aproximadamente seis meses depois da assinatura do contrato de concessão. O reajuste da tarifa será anual (aplicado nos meses de julho), de acordo com a variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo IBGE. As empresas que participaram da disputa pelo trecho tiveram entre 10h e 10h30 para entregar as propostas para participar da licitação. Ao todo, foram feitas cinco propostas pelo trecho do Rodoanel. O consórcio da CCR foi o primeiro, com R$ 1,1684. O segundo foi da Triunfo e Iberpistas, com R$ 2,1799. O terceiro foi da Queiroz Galvão, com R$ 2,2468, e o quarto da OHL, com R$ 2,2807. O quinto e último foi do grupo formado por BR Vias, Odebrecht e Cibe, com R$ 1,26. Texto ampliado às 11h11  

Tudo o que sabemos sobre:
Rodoanel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.