Melhor remédio para inflação é aumentar a produção, diz Lula

No rádio, presidente afirma que economia deve continuar crescendo, apesar da alta dos preços dos alimentos

Da redação,

28 de julho de 2008 | 07h58

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no seu programa semanal de rádio, Café com o Presidente, afirmou que a economia brasileira deve continuar crescendo apesar da alta dos preços dos alimentos e da ameaça da volta da inflação em diversos países do mundo. Isto porque, segundo Lula, o governo tomou a decisão de que o melhor remédio para combater a inflação é aumentar a produção.   Veja também: Ouça na íntegra o programa 'Café com o Presidente'  Entenda os principais índices de inflação  Entenda a crise dos alimentos  De olho na inflação, preço por preço   Lula comemorou os números de emprego no País, divulgados na semana passada. No mês de junho, a taxa de desocupação atingiu 7,8%, ante 7,9% em maio. O presidente citou ainda o crescimento do setor de construção civil, que foi impulsionado pelo crédito, e responsável pela geração de empregos. "Você junta o crescimento da construção civil, as obras do PAC, o crescimento da agricultura, o crescimento da indústria, tudo isso é o que o povo brasileiro espera, deseja e quer".   Um dos objetivos do governo agora, segundo Lula, é qualificar mão-de-obra para preencher esse mercado aquecido. O projeto prevê a capacitação de 185 mil beneficiários do Bolsa-Família na área da construção civil. "As pessoas possam ganhar o seu sustento pelo seu trabalho, sem precisar da ajuda do governo, ou seja, quanto mais gente trabalhar, mais porta de saída do Bolsa Família vai acontecer em nosso país", afirmou.   As propostas dos cursos começam a ser apresentadas nesta segunda-feira aos gestores do programa, inicialmente nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Fortaleza. A intenção do governo é, depois da capacitação de cerca de 200 horas, contratar as pessoas em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).   (com Agência Brasil)

Mais conteúdo sobre:
Lulainflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.