Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Melhor rodovia do País é Limeira-São Paulo, segundo CNT

A rodovia que liga a cidade de São Paulo a Limeira foi considerada a melhor do País. Já a pior é o trecho que liga Leopoldina, em Minas Gerais, à BR 262, que faz a ligação entre os Estados do Espírito Santos, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. As informações constam de diagnóstico divulgado nesta sexta-feira pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) sobre as condições da malha rodoviária brasileira. Segundo a CNT, o Estado de São Paulo continua tendo a melhor malha rodoviária do País. As quinze equipes da CNT, que percorreram 84.382 quilômetros de rodovias no período de 28 de junho a 5 de agosto, deram notas de zero a 100 para as estradas, considerando estado de conservação das rodovias, qualidade do pavimento, sinalização e geometria da via, infra-estrutura de apoio ao transporte, praças de pedágio, postos fiscais e balanças. Ao todo, foram examinados 109 ligações rodoviárias. Deste total, segundo a CNT, 17 ligações foram consideradas ótimas. Todas elas estão privatizadas. A pesquisa da CNT avaliou que 15 rodovias são consideradas boas, das quais, 8 foram privatizadas. Das 56 avaliadas como regulares, a maioria tem gestão estatal. Entre as 21 classificadas como ruins ou péssimas, todas são administradas pelo governo federal ou estadual. InvestimentosAo divulgar o diagnóstico sobre as condições da malha rodoviária do País, o diretor da CNT, Flávio Benatti, estimou que serão necessários R$ 22 bilhões para a recuperação das estradas, sendo que R$ 1 bilhão para a manutenção. A conclusão do diagnóstico da confederação foi que caiu o porcentual de rodovias em estado ótimo e bom de 28% em 2005 para 25% em 2006. O porcentual de rodovias em situação péssima ou ruim também caiu de 40,2% em 2005 para 36,6% este ano. Já as rodovias consideradas em estado regular aumentaram de 31,8% para 38,4%. Segundo a CNT, a pesquisa sobre as condições das estradas este ano agregou 2.438 quilômetros a mais que em 2005. O diretor executivo da CNT, Bruno Batista, não soube informar o reflexo da inclusão destes novos trechos no resultado geral da pesquisa. Benatti afirmou que a CNT defende modelos de privatização como a Parcerias Público Privadas ou concessões públicas, já que o ranking montado pela CNT mostra que as melhores rodovias do País são as privatizadas. "A questão de pagar o pedágio é secundária. O que não dá mais é para operar nestas condições (das rodovias)", afirmou.O diretor disse que a operação tapa-buraco iniciada no final do ano passado permitiu a redução do porcentual de rodovias classificadas como ruim e péssimo e a elevação do número das consideradas regulares. Segundo ele, embora tenha havido uma melhora na pavimentação das rodovias, não houve melhoria na sinalização e nos acostamentos.

Agencia Estado,

06 de outubro de 2006 | 18h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.