Andre Dusek|Estadão
Andre Dusek|Estadão

No Twitter, Maia defende redução do PIS/Confins do diesel e depois apaga texto

Zerar as alíquotas de PIS e Cofins teria impacto negativo de R$ 13,5 bilhões no caixa da União em 2018

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

27 Maio 2018 | 19h59

BRASÍLIA - Depois de se reunir com a equipe econômica, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu reduzir ou zerar o PIS/Cofins do diesel. Em uma publicação no Twitter, Maia disse que essa é a melhor saída para o impasse criado entre os caminhoneiros grevistas e o governo. O post foi despublicado. Zerar as alíquotas de PIS e Cofins custa R$ 20 bilhões por ano e R$ 13,5 bilhões até o final deste ano.

++ No WhatsApp, caminhoneiros dizem que greve está longe do fim

A equipe econômica esteve reunida para discutir a votação das medidas do acordo que o governo tenta costurar com as lideranças dos caminhoneiros, que estão em greve há uma semana. Um ponto em discussão é a proposta de isenção do PIS/Cofins do diesel que a Câmara incluiu no projeto de reoneração da folha de pagamentos. 

++ Sem acordo com Brasília, negociação entre SP e caminhoneiros fracassa

Depois da votação, Maia já acenou com a redução pela metade das alíquotas no lugar da isenção integral e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), disse que só coloca o projeto em votação depois de um acordo. Só com a votação desse projeto é que o presidente Michel Temer publicará decreto zerando a Cide (uma tarifa que incide sobre os combustíveis) do diesel, outra medida que o governo acertou com os caminhoneiros.

Além dos ministros da Fazenda, Eduardo Guardia, e do Planejamento, Esteves Conalgo, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, participa da reunião com Maia. Depois, eles seguem para o Palácio.

++ Greve já causou prejuízo de R$ 3 bi ao setor de proteína animal, diz entidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.