Melhora na conta externa ainda não gera otimismo

Pelo menos duas novidades positivas apareceram no relatório das contas externas divulgado nessa terça-feira pelo Banco Central (BC). Em junho, o investimento estrangeiro direto, de US$ 7,2 bilhões, ficou bem acima do valor registrado um ano antes, US$ 5,8 bilhões, e foi bem mais que suficiente para cobrir o déficit em conta corrente, US$ 3,9 bilhões. O déficit ficou abaixo do intervalo projetado no mercado financeiro, entre US$ 4,2 bilhões e US$ 6,1 bilhões. As duas boas notícias, no entanto, são insuficientes para tornar menos sombrias as projeções do balanço de pagamentos. O BC continua a estimar para este ano um buraco de US$ 75 bilhões em transações correntes, resultado equivalente a 3,2% do PIB previsto para 2013. O cenário inclui US$ 65 bilhões de investimento direto, muito inferior ao necessário para cobrir aquele déficit.

O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2013 | 02h08

Para essa cobertura o País continuará a depender, portanto, de outras formas de financiamento, mais especulativas e mais instáveis. Nos 12 meses terminados em junho, o buraco em transações correntes chegou a US$ 72,5 bilhões, 3,2% do PIB. Pela primeira vez neste ano o acumulado em 12 meses diminuiu. Em maio, havia chegado a US$ 72,9 bilhões. O recuo no mês passado foi, segundo alguns analistas, um ponto fora da curva, isto é, um desvio temporário da tendência. Os economistas do BC parecem concordar com esse ponto de vista, porque mantiveram para o ano as projeções já publicadas no mês anterior.

A deterioração das contas externas, em 2013, tem resultado principalmente da piora do saldo comercial e da remessa de dividendos, como observou o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel. A conta de comércio melhorou em junho e poderá continuar melhorando no segundo semestre, mas, ainda assim, o saldo acumulado até dezembro deverá ser muito inferior ao de 2012, US$ 19,4 bilhões.

Os técnicos do BC projetam um superávit de US$ 7 bilhões, com exportações de US$ 248 bilhões, apenas 2,2% maiores que as do ano passado, e importações de US$ 241 bilhões, 7,8% superiores às de 2012. A mediana das projeções coletadas no mercado na última pesquisa Focus, do BC, ficou em US$ 5,8 bilhões. Qualquer das projeções correntes indica um saldo comercial muito inferior ao necessário para compensar, pelo menos em grau razoável, o déficit estrutural das contas de serviços e de rendas. Para o Brasil, um megassuperávit comercial, longe de ser um luxo, é uma necessidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.