Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

"be water"

Coluna Leandro Miranda: como se moldar à nova economia após a covid-19?

Melhores negócios que fiz foram em crises, diz Jorge Paulo Lemann

Sócio do fundo 3G, o bilionário brasileiro conta que assim comprou as Lojas Americanas e a Brahma

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2020 | 15h18

O bilionário Jorge Paulo Lemann, um dos sócios do fundo 3G, disse que fez seus melhores negócios em momentos de crise. Ele afirmou que as empresas, é claro, precisam tomar medidas para sobreviverem nesse período, buscando melhorar o caixa e ampliar a eficiência, mas que são nessas ocasiões que surgem muitas oportunidades.

"Todas as crises que eu passei foram duras e eu sofri, não sabia como chegaria ao fim, mas alguma oportunidade apareceu", comentou, em evento online promovido pelo Fórum da Liberdade.

Segundo ele, foi assim, em 1971, com a compra de uma pequena corretora, a Garantia, que se tornou o Banco Garantia.

Outro exemplo foi a aquisição em 1981 das Lojas Americanas, ao lado de seus sócios na 3G Marcel Telles e Carlos Alberto Sucupira. "Nessa época ninguém queria comprar ativos", comentou.

Foi o mesmo com aquisição da cervejaria Brahma, que marcou o início do império das bebidas do trio. Lemann citou, ainda, que foi em meio à crise financeira de 2008 que veio a compra da Anheuser-Busch.

"Acho que a oportunidade não é apenas comprar barato, é que certas coisas que não estavam disponíveis passam a ficar, passamos a olhar os negócios em formatos diferentes e a operar de formas diferentes", comentou.

Atraso

Com os negócios digitais ganhando destaque durante pandemia, Lemann voltou a admitir que a 3G está atrasada nesse sentido, muito por conta do tipo de negócio investido, mas que as empresas no portfólio estão se atualizando, como Lojas Americanas e B2W.

No setor de cervejas, disse, já há teste de entrega mais rápida, com países com plataformas para contato direto com os clientes. "Começa a gerar informação e ficamos em condições de servir melhor o cliente. Estamos correndo atrás em todas as nossas empresas. Acho que começamos atrasados mas vamos chegar lá", afirmou.

Polarização

Para Lemann, um dos problemas que mais afetam o Brasil nos últimos anos é a polarização. "Nada é muito resolvido, nada anda. Esperaria que essa crise gerasse mais bom senso, mais pragmatismo para resolver nossos problemas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.