Melhores perspectivas para contratos de aluguel

De acordo com dados levantados pelo Secovi-SP (sindicato da habitação), no primeiro trimestre deste ano, a comprovação de renda e a ocorrência de desabono (nome negativo) na praça, de pretendentes à locação de unidades residenciais, apresentaram situação de melhoria, comparativamente ao observado durante o mesmo período de 1999. A dificuldade de comprovação é mais acentuada nos aluguéis entre R$ 301 e R$ 600. Já o valor alto dos aluguéis foi um dos motivos inibidores para a não-realização de contratos locatícios, principalmente aqueles situados na faixa entre R$ 600 a R$ 750. Nos aluguéis superiores a R$ 1.500 não foram detectados problemas dessa natureza. "Para o segmento de pretendentes à locação de imóveis de valor superior a R$ 1.500, esse tipo de obstáculo praticamente não foi verificado, demonstrando que a recuperação da economia, como é tradicional, leva mais renda a classes mais altas, inicialmente, para depois se ir espraiando até a base da pirâmide social", informa Sérgio Luiz Abrantes Lembi, vice-presidente de Locação do Secovi-SP. A necessidade de apresentação de fiador também aparece como obstáculo, tanto para os que desejam alugar como para as imobiliárias. De acordo com o vice-presidente do Sindicato, o levantamento apurou que em aproximadamente 70% das imobiliárias essa questão é mais freqüente nos aluguéis de valor até R$ 600. "Para o segmento de interessados em imóveis de valor superior a R$ 1.500, esse tipo de problema praticamente não foi detectado no primeiro trimestre deste ano. De toda forma, foi novamente verificado que os proprietários ainda exigem preferencialmente o fiador, principalmente em razão do desconhecimento sobre outras formas de garantia, como o seguro-fiança", ressalta. O estado em que se encontram os imóveis que estão sendo oferecidos no mercado também constitui fonte de problemas e contribuem para a desaceleração dos negócios na área de locação. A má localização e falta de manutenção dos imóveis foram apontadas por cerca de 58% das imobiliárias que operam com aluguéis até R$ 300, como elementos que têm dificultado o fechamento de contratos. "O levantamento confirmou o que sempre afirmamos: o melhor produto - aquele que não fica muito tempo parado - é o que tem preço justo e estado de conservação entre bom e ótimo", conclui Lembi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.