Membros do Fed defendem ideia de ‘estímulos preventivos’ à economia

Segundo o ‘NYT’, alguns membros do BC americano acreditam que, para decisões de política monetária, riscos potenciais também devem ser considerados

Álvaro Campos, da Agência Estado,

31 de julho de 2012 | 16h31

SÃO PAULO - O jornal norte-americano New York Times divulgou uma matéria na qual afirma que alguns dos membros do Federal Reserve estão reativando a ideia de que o banco central dos EUA deveria levar em consideração, para suas decisões de política monetária, riscos potenciais que não estão inteiramente contabilizados no seu cenário base para a economia.

A matéria afirma que essa questão dos "estímulos preventivos" à economia foi muito comum quando o Fed era presidido por Alan Greenspan. O NYT cita como uma das autoridades do banco central que defende essa ideia a vice-presidente da instituição, Janet Yellen, que trabalhou sob o comando da Greenspan.

"Existem vários riscos significativos para a previsão econômica, e assim, pode ser apropriado proteger essa projeção contra choques adversos que podem levar a economia para um território onde uma espiral de queda retroalimentada de fragilidade econômica seria difícil de conter", comentou Yellen durante um discurso em junho.

O NYT cita ainda uma declaração de Laurence H. Meyer, que também atuou no Fed durante o mandato de Greenspan, e acredita que o retorno desse "seguro" no processo de tomada de decisões do banco central é uma resposta necessária ao ambiente econômico atual. Atualmente Meyer trabalha na consultoria Macroeconomic Advisers.

Mas os membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) que defendem novas ações de estímulo ainda enfrentam resistências daqueles que não estão convencidos de que a economia perdeu força e preferem esperar até a próxima reunião do grupo, em setembro. A própria Yellen não declarou abertamente que o Fed deveria agir agora, na reunião que termina nesta quarta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
Fedpolítica monetáriaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.