Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Membros do Fed veem com cautela recuperação dos EUA

Membros do Federal Reserve demonstraram cautela sobre a economia norte-americana em discursos nesta terça-feira, citando o elevado desemprego, a forte dependência dos estímulos estatais e os problemas no mercado imobiliário comercial como obstáculos para a recuperação.

REUTERS

10 de novembro de 2009 | 17h15

Os presidentes do Fed de San Francisco, Janet Yellen, e do de Atlanta, Dennis Lockhart, disseram que a economia permanece vulnerável. Para o presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, ainda é cedo para os formuladores de política começarem a retirar estímulos econômicos.

"A força e a durabilidade da expansão estão em questão", disse Yellen, em Phoenix, Arizona. "Elevado desemprego, fraco crescimento do mercado de trabalho e aumento do número de pessoas recebendo baixos salários são uma receita para um lento crescimento no consumo e uma recuperação morna", acrescentou.

Yellen disse que ainda é preciso ver se o setor privado poderá preencher a capacidade ociosa quando os estímulos do governo forem retirados.

Lockhart, falando em Atlanta, Georgia, afirmou acreditar que a retomada econômica está acontecendo, mas acrescentou esperar que o ritmo do crescimento seja "relativamente fraco" no médio prazo.

"A situação está muito melhor, mas há aspectos sóbrios do quadro econômico", disse Lockhart, citando que a economia tem obtido suporte dos programas governamentais temporários. Ele também afirmou que os números sobre falências de bancos, execuções de hipotecas, desemprego e renda pessoal "continuam decepcionando".

Lockhart disse que espera ganhos muito lentos no mercado de trabalho no próximo ano. "Nesse contexto, é difícil ficar esperançoso acerca de uma rápida recuperação no crescimento do emprego."

Respondendo a perguntas de repórteres após seu discurso, Lockhart afirmou que poderá haver cenários nos quais o Fed precise apertar a política mesmo com o desemprego ainda "frustantemente alto" caso outras condições econômicas permitam uma mudança.

CEDO PARA RETIRAR ESTÍMULOS

Em Londres, em resposta a uma pergunta sobre estratégias de retirada dos estímulos econômicos, o presidente do Fed de Boston, Eric Rosengren, disse que "é uma questão de tempo". "Ainda não estamos lá."

Ele afirmou que há várias opções para a retirada das medidas de estímulo, entre elas elevar as taxas de juro, utilizando devolução reversa e revendendo os ativos comprados.

"Há muitas opções. Não acho que é o caso de questionarmos se temos as ferramentas", disse. "É realmente uma questão de qual será a ferramenta mais eficaz e quando será o momento apropriado para a economia elevar o juro."

(Por Kristina Cooke e Pedro da Costa em Phoenix, e Christina Fincher e Nigel Davies em Londres)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROFEDMEMBROSCONSOLIDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.