Meneghelli assume a presidêndia do Sesi

Numa cerimônia concorrida, que lotouo auditório da Confederação Nacional da Indústria (CNI) compolíticos, empresários e ministros, o ex-sindicalista eex-deputado Jair Meneguelli tomou posse hoje como presidente doConselho Nacional do Serviço Social da Indústria (Sesi). Ele é oprimeiro sindicalista a assumir um cargo que sempre foi ocupadopor representantes da indústria. Amigo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a quemdeve a indicação para o cargo, Meneguelli foi um dos fundadoresdo PT e até 1994 também presidiu a Central Única dosTrabalhadores (CUT). No discurso de boas vindas o presidente daCNI, deputado Armando Monteiro (PMDB-PE), destacou o conteúdo denatureza política da nomeação. Monteiro destacou que nessemomento "os velhos antagonismos são superados e se busca aconvergência para construir uma agenda positiva para o País". O presidente da CNI também fez questão de destacar opapel que o Sesi, que é sustentado com as contribuições do setorindustrial, vem cumprindo com êxito ao longo do tempo. Ele disseque o Sesi dispõe de 2.300 estabelecimentos e que está presenteem 1.400 municípios brasileiros. "Nesse momento em que o Brasildefine suas políticas públicas para a inclusão social, o Sesipode dar a sua contribuição", disse Monteiro, lembrando que aentidade conta com um milhão de trabalhadores matriculados nosseus programas de educação que visam elevar a escolaridade dotrabalhador brasileiro. Meneguelli também elogiou a estrutura que encontrou naentidade e prometeu aumentar a produtividade social de cadacentavo gasto, combatendo os desperdícios. Ele disse que vaicolocar o sistema Sesi em sintonia com os programas nacionais deinclusão social. "Vamos atuar como parceiros do governo",garantiu. Meneguelli também lembrou que por muitas vezes esteve dolado oposto ao dos empresários. "A prática democrática denegociação certamente amadureceu a todos e por isso estamos hojesentados aqui lado a lado, imbuídos do interesse em trabalharjuntos", afirmou. Para Meneguelli, o País conviveu ao longo dedécadas com um descompasso no planejamento das políticaseconômicas e sociais e que isso agora precisa ser corrigido. "Não se semeou a necessária estrutura para se poder,por exemplo, ensinar como se produz uma refeição por R$ 1,00 aoinvés de simplesmente entregá-la ao cidadão", explicou numacrítica aos programas que classificou como assistencialistas. Deacordo com Meneguelli o Sesi já implantou dezenas derestaurantes educativos que ensinam a produzir refeições baratase nutritivas. Ele disse que deseja, em sintonia com o programaFome Zero, ampliar esse programa. Meneguelli também defendeu apromoção de parcerias e a oferta de serviços integrados, quebeneficiem toda a comunidade.Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula-Os primeiros 100 dias e a área econômica

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.