finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Menor produção da Opep não afetará preços

A decisão dos Organizadores dos Países Produtores de Petróleo (Opep) de reduzir a produção em 1,5 milhão de barris por dia em fevereiro não terá muito impacto na cotação do produto no mercado internacional. A avaliação é de um graduado funcionário do governo brasileiro ao explicar que os preços já foram ajustados antes da decisão do cartel.A expectativa do governo federal é de que o barril do tipo Brent fique entre US$ 23 e US$ 26. Caso o cenário atual seja mantido, em abril, quando for realizado o primeiro ajuste de preços, o litro da gasolina ficará mais barato entre 8% e 10% nas refinarias da Petrobras. Para os consumidores, a economia oscilaria entre 6,4% e 8%, já que o preço na bomba representa 80% do valor cobrado nas unidades de refino.Os cálculos do governo já foram mais favoráveis aos consumidores. Na primeira semana deste mês, a projeção de redução do preço da gasolina era de 16% na refinaria, o que representaria uma diminuição de preço de até 12% para o consumidor. O ajuste valerá também para o diesel e o gás de cozinha (GLP).Ontem, os ministros Pedro Malan (Fazenda) e Rodolpho Tourinho (Minas e Energia) editaram a Portaria Interministerial número 19, que reduz os preços de realização dos derivados de petróleo no mercado interno. Na prática, a medida vai permitir que estes ganhos sejam repassados para o Tesouro Nacional no saldo da Parcela de Preço Específica (PPE), resultado entre o valor que a Petrobrás cobra pelo produto no mercado interno e externo e a venda dos derivados para as distribuidoras.

Agencia Estado,

18 de janeiro de 2001 | 13h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.