Fred Dofour/Pool Photo via AP
Fred Dofour/Pool Photo via AP

Menos de 6% de investimentos dos BRICS vão para países do grupo

Estatística, apresentada pelo presidente chinês, revela potencial espaço para integração econômica entre países do bloco

Cláudia Trevisan / ENVIADA ESPECIAL A XIAMEN, CHINA, O Estado de S. Paulo

04 Setembro 2017 | 04h26

Dos US$ 197 bilhões de investimentos externos realizados pelos BRICS em 2016, apenas 5,7% foram destinados a negócios nos países do bloco, disse na segunda-feira o presidente da China, Xi Jinping. Para ele, a estatística revela que há um grande espaço para ampliar a integração econômica entre Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul.

No discurso de abertura da 9ª Cúpula dos BRICS em Xiamen, Xi disse que os cinco parceiros devem trabalhar para aprofundar sua cooperação e lançar uma segunda “década de ouro” de crescimento. O presidente chinês defendeu que os cinco países explorem as complementariedades de suas estratégias de desenvolvimento e adotem medidas pragmáticas, que produzam resultados econômicos tangíveis.

Com 40% da população e 25% do território do planeta, os cinco países eram vistos como a grande promessa da economia mundial no começo da década passada, quando eram impulsionados pela alta no preço das commodities e o sucesso da integração da China e da Índia a cadeias produtivas globais.

Mas a queda nos preços de minérios e petróleo atingiu em cheio as performances do Brasil, Rússia e África do Sul. China e Índia mantiveram elevados índices de crescimento e aumentaram seu peso relativo dentro do grupo. Hoje, a economia chinesa é maior que a soma das de seus quatro parceiros. “Nós ainda precisamos explorar todo o potencial da cooperação dos BRICS.”

No discurso de abertura da cúpula, Xi anunciou que a China destinará o equivalente a R$ 240 milhões a um fundo para troca de experiências e facilitação de comércio e investimentos entre os países do bloco. Pequim também destinará US$ 4 milhões ao banco dos BRICS.

Os valores são ínfimos quando comparados aos US$ 124 bilhões que a China prometeu destinar à iniciativa “Um Cinturão, Uma Rota”, durante evento sobre o assunto em maio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.