Mercadante defende meta de inflação permanente de 5,5%

O líder do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP), voltou a defender hoje na audiência pública com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, que a meta de inflação em 2005 e 2006 fique em 5,5%. Mercadante fez essa defesa no ano passado, quando o Conselho Monetário Nacional (CMN) acabou decidindo uma meta de 4,5% para o ano que vem.Ele argumentou que, se a inflação deste ano ficar abaixo de 7,6%, que foi a inflação do ano passado, já significaria uma deflação continuada. "Isso porque não precisamos de uma deflação desacelerada e não precisamos fazer isso em três anos", disse o líder.Mercadante defendeu a adoção da meta de 5,5% como uma meta permanente porque, segundo ele, somente em duas vezes na história do País se chegou a uma meta abaixo desse valor. "Com isso, teremos uma meta de inflação mais realista e uma política monetária que poderá ajudar a deflação da economia sem prejudicar os investimentos", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.