Mercado aguarda decisão do Copom

Com a decisão do banco central norte-americano (FED) de manutenção da taxa de juros em 6,5% ao ano, o mercado financeiro fechou a terça-feira mais otimista em relação à uma nova redução da taxa básica de juros - Selic -, no Brasil. O Comitê de Política Monetária (Copom) decide hoje se mantém a taxa em 16,5% ao ano, ou se promove mais um corte, seguindo sua estratégia de redução dos juros.Muitos analistas continuam afirmando que a atitude mais sensata agora seria a manutenção dos juros no patamar atual. A pressão nos índices de inflação e a alta no preço do petróleo são motivos apontados pelos analistas para uma decisão mais cautelosa do Copom agora. A situação econômica da Argentina também pode influenciar a decisão do Copom. Ontem o mercado financeiro fechou o dia mais tranqüilo com a notícia de que o governo argentino vai emitir títulos no mercado japonês, no valor de US$ 567 milhões. Porém, a economia do país vizinho ainda é vista com certa atenção por parte dos investidores e pode dificultar mais uma redução da taxa de juros agora.Mercado em compasso de esperaEm compasso de espera, o mercado financeiro deve apresentar poucas oscilações hoje. O resultado da reunião do Copom deve sair apenas após o fechamento do mercado financeiro e, por isso, a reação dos investidores à decisão só será conhecida amanhã. Hoje, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu em alta de 0,12% e há pouco operava em queda de 0,31%.No mercado de juros, as taxas devem apresentar poucas oscilações hoje. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagavam juros de 16,960% ao ano no início da manhã. Ontem, fecharam o dia em 16,890% ao ano. O dólar está cotado a R$ 1,8180 na ponta de venda dos últimos negócios. Uma alta de 0,06% em relação ao fechamento dos últimos negócios de ontem - R$ 1,8170.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.