Mercado aguarda novidades para definir trajetória

A segunda-feira começa praticamente repetindo o cenário que havia na semana passada e, com isso, o mercado não espera alterações significativas na trajetória das cotações. A expectativa é de que o dólar seja negociado próximo da estabilidade, com ligeira tendência de alta, e oscile de acordo com possíveis novas notícias e com o fluxo diário de recursos. Como o previsto, na abertura dos negócios, às 10h11, o dólar comercial estava sendo vendido a R$ 3,1600, estável em relação ao fechamento de sexta-feira. Já no mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagavam taxas de 20,550% ao ano, frente a 20,870% ao ano negociados na sexta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo operava em alta de 0,90%.Em relação aos temores de uma guerra entre EUA e Iraque o dado a mais é que o presidente norte-americano, George W. Bush, andou declarando que atacará o país do Oriente Médio mesmo sem o apoio da ONU. No Brasil, a pesquisa eleitoral CNT/Sensus divulgada no final de semana somente confirmou os levantamentos anteriores, mostrando Lula liderando, com crescimento, e Ciro e Serra tecnicamente empatados no segundo lugar. O temor que alguns começam a citar, mas que ainda não permeia o mercado como um todo, é de que o candidato petista saia vencedor no primeiro turno. O levantamento feito por telefone pelo Datafolha, no entanto, aponta que Lula recuou três pontos para 35% e que Serra está com 24% contra 18% de Ciro. A metodologia dessa pesquisa tem três pontos porcentuais de margem de erro e abrange somente eleitores que possuem telefone fixo. Para hoje, o destaque tende a ser os resultados das reuniões de Pedro Malan e Armínio Fraga na Europa. Malan está na Espanha e tem encontros com representantes do governo, banqueiros e investidores. Fraga está reunido com presidentes dos 10 maiores bancos centrais do mundo, na Suíça. Ambos devem falar à imprensa ainda hoje, por volta das 12 horas de Brasília.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.