Mercado animado com pacote argentino e Copel

A expectativa pelo anúncio do pacote econômico argentino animou os investidores. A maioria das medidas já é conhecida, mas o governo aguarda a conclusão do acordo com os governadores das províncias, reunidos com o presidente Fernando de la Rúa, para fazer o anúncio oficial. Hoje também foi o último dia para a entrega dos documentos para a pré-candidatura ao leilão de privatização da Companhia Paranaense de Energia (Copel). Espera-se que o acordo firme um corte de 13% nos repasses às províncias dos fundos de co-participação e renegociação das dívidas provinciais de US$ 10 bilhões, com quedas nos juros para 7% ao ano e aumento nos prazos para quinze a vinte anos. Os repasses da União em atraso estão em discussão, mas a primeira parcela será paga em 2001 com títulos públicos. Além disso, os ministérios sofrerão cortes de 30% e o governo tomará algumas medidas tímidas de amparo social e estímulo econômico.Mas a renegociação da dívida interna do governo federal decepcionou. A AFJP (Administradoras de Fundos de Aposentadoria e Pensão) aceitou a prorrogação dos prazos dos papéis, mas não a queda dos juros, em torno de 23% ao ano. E os bancos não aceitarão a troca. A reestruturação da dívida externa também enfrenta obstáculos. Por um lado, as agências internacionais de classificação de risco já advertiram que rebaixarão ainda mais os ratings (notas de avaliação de risco) do país se houver perdas para os investidores. Mas às atuais taxas, a dívida é insustentável.Politicamente, o governo volta-se mais ao centro. A Frepaso, partido esquerdista de sustentação da Aliança, deve deixar a coalizão, agora que perdeu o último integrante da equipe ministerial, Juan Pablo Cafiero, do Desenvolvimento Social. Os grandes vencedores das eleições legislativa da semana passada, os peronistas, devem beneficiar-se da reforma ministerial em curso, e prometem retirar os poderes especiais do ministro da Economia, Domingo Cavallo.Apesar dos revezes, o mercado julga que com o pacote econômico o governo consegue manter o compromisso do déficit zero e afastar a insolvência financeira no curto prazo. As expectativas continuam pessimistas para o longo prazo, dada a pressão das taxas de juros astronômicas sobre a dívida pública e a falta de perspectiva de reestruturação das obrigações na medida necessária de maneira voluntária.Aumenta otimismo com leilão da Copel Amanhã será divulgado o número de candidatos pré-inscritos para o leilão de privatização da Copel, marcado para o dia 31 de outubro. Mas as empresas só serão identificadas no dia 29. O otimismo do mercado deveu-se à possibilidade de entrada de grande volume de divisas, dado que o preço mínimo determinado foi de R$ 4,32 bilhões. A perspectiva de federalização da dívida da Celesc e de privatização da Cesp no início de 2002 promoveram valorização de suas ações. Copel PNB (preferenciais, sem direito a voto) teve alta de 11,90%, e Cesp PN, de 13,69%.Apesar da intensificação dos ataques norte-americanos no Afeganistão e das ameaças terroristas aos EUA, as bolsas em Nova York operaram em forte alta, estimulando também os mercados brasileiros. Veja os números dos mercados abaixo.Fechamento dos mercadosO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,7230, com queda de 0,44%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 22,400% ao ano, frente a 22,640% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 3,25%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em queda de 0,18%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 1,88%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em alta de 2,20%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.