Mercado aposta em queda nos juros, mas não já

Hoje teve início a reunião mensal do Comitê de Política Monetária (Copom) para discutir a Selic, a taxa básica referencial de juros da economia, atualmente em 19% ao ano. O mercado aposta em queda gradual, mais acentuada no segundo semestre, mas somente a partir da reunião de fevereiro ou março. A inflação não caiu tanto quanto se esperava e a meta para o ano, de 3,5% pelo Índice de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA) ainda é muito apertada para baratear o crédito, o que tende a aquecer o consumo e pressionar os preços.Na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), não agradou a sugestão do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, de proibição dos celulares pré-pagos como parte de um pacote de combate ao crime organizado. As ações das empresas de telefonia sofreram quedas, mas muitos duvidam que a medida venha a entrar em vigor. Ainda assim, estima-se que a proibição pudesse afetar cerca de 40% do faturamento das empresas de telefonia celular. O Banco Central anunciou hoje que fará uma terceira operação de rolagem antecipada de títulos cambiais na quinta-feira. Como há uma forte concentração de vencimentos de cambiais no terceiro trimestre, o governo tenta evitar a troca concomitantemente, reduzindo, assim, o risco da operação. Na última tentativa, dia 17, os resultados foram considerados positivos e todo o lote foi rolado em condições melhores do que na primeira, em 14 de dezembro.Na Argentina, a chegada da equipe técnica do Fundo Monetário Internacional (FMI) a Buenos Aires para avaliar as medidas econômicas e declarações de altos executivos da instituição aumentam a expectativa de liberação de recursos para o país. O diretor-gerente do FMI, Horst Köhler reconheceu que subsídios agrícolas da União Européia (UE) e a pouca insistência do Fundo na adoção de políticas sustentáveis no final dos anos 90 contribuíram para a crise argentina. Porém, a vice-diretora-gerente, Anne Krueger afirmou hoje que considera a quantia pedida pelo governo do presidente Eduardo Duhalde, US$ 15 bilhões, elevada demais. E, por enquanto, a UE, que parecia estar mais empenhada na ajuda à Argentina do que os Estados Unidos, só deu assistência técnica ao país, não financeira.Fechamento dos mercadosO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,3800, com alta de 0,25%. Os contratos de swap (troca) de títulos prefixados por pós-fixados com período de um ano fecharam o dia pagando juros de 20,02% ao ano, frente a 20,05% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 1,15%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em queda de 5,24%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - terminou o dia em queda de 0,59%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em queda de 2,48%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.