finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mercado argentino reage bem a reestruturação da dívida

O mercado argentino reagiu bem ao anúncio de reestruturação da dívida de US$ 94,3 bilhões do país e ao anúncio dos ministros das Finanças do G-7, reunidos em Dubai, defendendo "mais flexibilidade nas taxas de câmbio", e fechou em alta nesta segunda. O índice Merval da Bolsa de Buenos Aires fechou em alta de 12,57 pontos (1,60%), em 794,26 pontos. O volume ficou em 46,4 milhões de pesos. O mercado recuperou-se da queda de 2,1% ocorrida na sexta-feira. Ao longo do dia, os investidores digeriram os informes sobre o plano do governo para reestruturar a dívida sobre a quail a Argentina declarou moratória em dezembro de 2001.O proposto deságio de 75% no que os credores têm a receber provocou reações negativas entre os portadores de bônus da dívida argentina, mas analistas disseram que ele ficou de acordo com as previsões dos investidores. "O anúncio já estava precificado; por isso, o mercado simplesmente sofreu uma correção", comentou o trader Alfredo Ferrarini, da corretora Cohen."Ainda faltam muitos detalhes. Temos que ver o significado exato desses 75%", acrescentou, referindo-se ao fato de, ao anunciar o plano de reestruturação, em Dubai, o ministro da Economia, Roberto Lavagna, não ter esclarecido se o não-pagamento de juros, anunciado previamente, está incluído no deságio proposto.Analistas observaram que o anúncio da proposta de reestruturação é apenas o primeiro passo em um processo de negociação com os credores que deverá ser longo. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.