Mercado assimila avaliações negativas do Brasil e risco cai

Indicadores mostrando que a economia dos Estados Unidos não estão tão bem a ponto de provocar uma alta dos juros no curto prazo amenizaram as reavaliações da situação econômica do Brasil nesta sexta-feira. A bolsa de São Paulo fechou em ligeira alta de 0,14%, mas com volume financeiro reduzido, de somente R$ 862 milhões por causa do exercício de opções na segunda-feira. O risco Brasil caiu 26 pontos, para 596 pontos. O dólar comercial encerrou o dia em queda de 0,31%. Os títulos da dívida brasileira valorizaram 1,3%, para US$ 0,945.Nos EUA, a produção industrial caiu 0,2% em março, contra uma expectativa de aumento de 0,4%. Além disso, o sentimento dos consumidores piorou em meados de abril: recuou de 95,8 em março para 93,2. A previsão era que o índice subiria para 97. Com a perspectiva de uma demora maior na alta dos juros, os títulos públicos norte-americanos operaram em queda durante todo o dia. A bolsa de Nova York subiu 0,52% e a Nasdaq caiu 0,32%. O mercado de juros brasileiro também teve um dia mais calmo com uma avaliação melhor do relatário do J.P. Morgan. As taxas de juro futuro projetadas até julho/2005 recuaram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.