finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Mercado atento ao cenário externo

Os investidores continuam atentos ao mercado de Nova York. Hoje as empresas Yahoo! e Motorola devem divulgar seus resultados trimestrais após o encerramento dos negócios. A Nasdaq - bolsa dos Estados Unidos que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - opera em baixa de 2,55% e o índice Dow Jones - que mede a valorização das ações de empresas mais negociadas na Bolsa de Nova York - recua 0,55%.No mercado interno, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) está em queda de 0,13%. O volume de negócios continua baixo - R$ 138 milhões. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 16,960% ao ano, frente a 16,980% ao ano registrados ontem. O dólar comercial está cotado a R$ 1,8560 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,11% em relação às últimas operações de ontem. Petróleo continua em altaAs tensões no Oriente Médio continuam e o petróleo segue em alta. Os negócios com o produto bruto do tipo Brent para entrega em novembro estão em alta de 0,76% em Londres, a US$ 31,52 por barril. Esse fato, aliado à situação da Argentina e às baixas sucessivas da Nasdaq - diminuem as chances de um corte na taxa básica de juros - Selic.As reduções dos juros foram interrompidas na reunião de 19 julho, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa anual de 17% para 16,5%. Inicialmente era a inflação interna que assustava. Nos últimos encontros, no entanto, a cautela foi provocada pela instabilidade internacional. Se de um lado as taxas que medem o comportamento do custo de vida no Brasil surpreendem positivamente, de outro, a instabilidade externa ameaça esse equilíbrio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.