Mercado atento ao noticiário dos EUA

Depois de um dia de baixo volume de negócios, provocado principalmente pela pequena liquidez do mercado dos EUA, que estava envolvido no clima de homenagens às vítimas dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, as mesas de negócios brasileiras devem ter uma quinta-feira cheia. A maior parte das novidades esperadas virão do exterior e as apreensões sobre elas levam os operadores a apostar numa pequena tendência de alta para o dólar nesta manhã.Na abertura dos negócios, às 9h56, o dólar comercial estava sendo vendido a R$ 3,1250, em alta de 0,64% em relação ao fechamento de ontem. Já no mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagavam taxas de 20,420% ao ano, frente a 20,350% ao ano negociados ontem.O destaque do noticiário de hoje deve ser o discurso do presidente dos EUA, George W. Bush, na Assembléia Geral da ONU, aguardado para o final da manhã. É consenso de que Bush continuará pressionando para que outros países o apóiem numa eventual guerra contra o Iraque, fator que tem ajudado a pressionar as cotações do dólar para cima, no Brasil. Também pela manhã, fala ao Congresso dos EUA, o presidente do Federal Reserve, Alan Greenspan. Além disso, o dia é recheado de dados sobre a evolução da economia norte-americana. Na Europa, é dia de decisão sobre a taxa de juros na zona do euro. No Brasil, o mercado aguarda atuações do BC que rolem os vencimentos de linha externa previstos para os próximos dias. Amanhã vencem US$ 50 milhões e ontem o BC vendeu US$ 20 milhões nessa modalidade, para recompra em 6 de novembro. A rolagem não afetou as cotações ontem. Na semana que vem, vencem mais US$ 200 milhões. O mercado acredita que o BC pode não rolar integralmente essas operações. Até porque, boas notícias sobre oferta de linhas despontam a cada dia. Ontem, por exemplo, o BB captou US$ 40 milhões, somando US$ 115 milhões em três dias. "Isso pode até animar o mercado no decorrer do dia", pondera um especialista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.