Mercado atento ao preço do petróleo

O mercado financeiro começou a semana muito influenciado pelo cenário internacional. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em queda de 0,17%, enquanto a Nasdaq - bolsa que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet nos Estados Unidos está em baixa de 0,33 %. O volume de negócios continua baixo. Na primeira parte do pregão, as operações somaram R$ 155 milhões.As ações da Petrobras destoam da média do mercado e sobem na bolsa nesta segunda-feira, acompanhando a alta dos preços do petróleo. Há pouco, as preferenciais (PN, sem direito a voto) da Petrobras subiam 2,12 %, enquanto as ordinárias (ON, com direito a voto) registravam de 2,08 %. Na sexta, os papéis da empresa fecharam em baixa, em linha com a queda dos preços do petróleo que antecedeu a reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), realizada ontem.A principal razão para o fraco desempenho nos mercados continua sendo o petróleo. Após abrir com leve baixa reagindo ao aumento de produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), o preço do petróleo voltou a subir. No final da manhã, o barril negociado na Nymex de Nova York subia para mais de R$ 34. No mercado de juros, as taxas apresentam pequena alta Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam a manhã pagando juros de 16,850 % ao ano, frente a 16,810% ao ano, registrados na sexta-feira. O dólar permanece com poucas oscilações e há pouco era vendido a R$ 1,8190 - uma queda de 0,11 % em relação aos últimos negócios de sexta-feira.J. P. Morgan eleva recomendação de ações brasileirasO J.P. Morgan elevou a recomendação para as ações brasileiras em sua carteira para América Latina de "neutro" para "overweight", enquanto reduziu o peso dos papéis de Venezuela de "neutro" para "underweight". O J.P. Morgan informou ainda que acrescentou as ações da Petrobras, da Ambev - representadas pela Brahma -, e da Telmex em sua lista dos dez papéis latino-americanos mais recomendados. Por sua vez, a Salomon Smith Barney iniciou hoje a cobertura dos ADRs da estatal com recomendação de "compra".Analistas observam que, apesar do otimismo interno de médio e longo prazo, os investidores tendem a manter uma postura de cautela no curto prazo. Além de monitorar a evolução do petróleo, o investidor terá que acompanhar uma agenda cheia de indicadores que podem afetar os negócios ao longo da semana, como os índices de inflação no Brasil (veja mais informações no link abaixo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.