Mercado aumenta atenção com Argentina

A notícia de que a Argentina poderia sofrer um rebaixamento pela agência de risco Standard & Poor´s deixou os investidores preocupados na primeira parte do pregão. No início da tarde, as agências internacionais confirmaram que a S&P colocou o rating (classificação) do país em observação com perspectiva negativa. Operadores comentam, porém, que um rating negativo para a Argentina já era esperado há algum tempo. A notícia chama a atenção novamente para a situação difícil do país vizinho (veja mais informações no link abaixo). Nos últimos dias, a tensão havia diminuído em parte devido a vários fatores, como o avanço no acordo político para aprovar o orçamento. Além disto, a Argentina conseguiu, mesmo pagando juros mais altos, colocar títulos no mercado que praticamente fecharam as necessidades de financiamento para 2000. Para 2001, porém, o país tem uma conta elevada para financiar. A cautela do mercado e a véspera do feriado reduziram o volume de negócios no mercado financeiro. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) negociou R$ apenas 94 milhões durante a manhã e há pouco operava em queda de 1,63%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 17,840% ao ano, frente a 17,620% ao ano ontem. O dólar comercial está cotado a R$ 1,9100 na ponta de venda dos negócios - alta de 0,47%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.