Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercado: Banco Central intervém pesadamente

O Banco Central (BC) realizou várias intervenções no mercado hoje para conter a alta do dólar. As cotações oscilaram muito, entre a mínima de R$ 2,3050 e a máxima de R$ 2,3380. Depois da elevação inicial, houve o primeiro leilão de títulos cambiais, quando as cotações caíram. Conforme elas foram subindo novamente, o BC entrava vendendo dólares, e no final da tarde houve novo leilão de títulos. Os investidores agiram com muita insistência numa quebra-de-braço com a autoridade monetária, que vendeu uma quantia grande de recursos, ainda não totalizada.A questão que fica é se a política da equipe econômica será duradoura depois que os recursos captados extraordinariamente se esgotarem. É possível que a resistência dos investidores, frente às várias incertezas do cenário no longo prazo, force uma retomada da tendência de alta anterior às intervenções do BC. Por enquanto, a resistência do dólar nos últimos dias consolida a visão de que os juros talvez não possam cair no curto prazo e as taxas de mercado vêm subindo. As quedas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) também acumulam-se.Hoje o Fed - Banco Central norte-americano - reduziu, conforme a expectativa dos mercados, a taxa básica de juros em 0,25 ponto porcentual, que passou de 4% para 3,75% ao ano. Mas, como a medida já tinha sido antecipada nos negócios dos últimos dias, os mercados não mostraram uma reação importante. As alterações nas taxas têm efeito na economia real apenas no longo prazo, e a queda não foi muito expressiva em comparação com as anteriores. De qualquer forma, a persistente desaceleração econômica dos EUA está se alastrando para o resto do mundo. Aliada à crise energética e às dificuldades da Argentina, é um dos fatores de pessimismo sem solução no curto prazo que mantêm os investidores muito cautelosos e interessados em aplicações mais seguras, indexadas ao dólar.Fechamento dos mercadosO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,3050, com queda de 0,95%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 23,050% ao ano, frente a 22,150% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 1,04%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em queda de 0,80%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,36%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em alta de 0,49%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.