Mercado cauteloso neste 11 de setembro

Os mercados devem evitar movimentos bruscos neste primeiro aniversário dos ataques mais graves sofridos em solo norte-americano. O país inteiro está em estado de alerta, com forte esquema de segurança, que inclui possíveis alvos de interesse dos Estados Unidos no exterior. A probabilidade de sucesso de um ataque é pequena, mas o efeito emocional pode manter os investidores muito cautelosos. De qualquer forma, mesmo que não ocorra nada, o risco não está afastado.Amanhã o presidente George W. Bush discursa no plenário da Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), enfocando a necessidade de uma intervenção militar no Iraque. Alguns aliados mais próximos e ativos nas operações militares norte-americanas, como a Inglaterra e Israel já apoiaram a iniciativa, mas a idéia não é bem vista por muitos países importantes, como os demais com poder de veto no Conselho de Segurança (França, China e Rússia) e os Estados muçulmanos mais simpáticos ao Ocidente.Ainda que o mais recomendável seja uma operação da ONU, o governo dos EUA não descarta uma intervenção unilateral. Em qualquer caso, uma nova guerra no Oriente Médio pode ter conseqüências imprevisíveis, e as altas sistemáticas nos preços internacionais do petróleo refletem isso.E o presidente do Banco Central (BC), Armínio Fraga, já avisou que se houver mesmo uma guerra no Iraque, o Brasil deve se preparar para as suas conseqüências econômicas. Ele e o ministro da Fazenda, Pedro Malan, estão na Europa encontrando-se com lideranças políticas e econômicas. Malan afirmou ontem que as linhas de crédito para o Brasil pareciam haver se estabilizado, notícia que pode aliviar a tensão sobre o câmbio, ao menos no longo prazo.Os investidores estão mais tranqüilos com o cenário eleitoral, mas ainda é muito cedo para comemorar. Nas pesquisas divulgadas na segunda-feira, José Serra (PSDB/PMDB), o favorito dos mercados, isolou-se em segundo lugar. O clima ainda é de cautela, pois faltam cerca de quatro semanas para as eleições, e muita coisa pode acontecer. Além disso, Luiz Inácio Lula da Silva (PT/PL) tem grande vantagem sobre o candidato governista e está próximo do limite necessário para vencer o pleito já no primeiro turno, embora essa hipótese seja considerada improvável.MercadosO dólar comercial foi vendido a R$ 3,1370 nos últimos negócios do dia, em alta de 1,19% em relação às últimas operações de segunda-feira. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagam taxas de 20,410% ao ano, frente a 20,430% ao ano segunda-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 0,06% em 9960 pontos. Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 0,98% (a 8602,6 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - subiu 1,19% (a 1320,09 pontos). O euro fechou a US$ 0,9750; uma queda de 0,52%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em alta de 0,34% (376,83 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.