Mercado: cenário externo concentra atenções

A situação da Argentina deve afetar novamente os negócios no Brasil. O país ainda depende de um pacote de ajuda externa para que diminuam as incertezas em relação à sua capacidade de pagamento de dívidas no próximo ano. Jornais do país afirmam que esse pacote pode chegar a US$ 30 bilhões. Nos Estados Unidos, a confirmação de George Bush como o novo presidente do país pode trazer um certo alívio para o mercado financeiro.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 0,17%. No mercado de câmbio, o dólar está corado a R$ 1,9550 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,20% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - começam o dia pagando juros de 17,900% ao ano, frente a 17,950% ao ano registrados na sexta-feira. No mercado interno, os negócios começaram o dia com a divulgação do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), calculado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), referente à terceira quadrissemana de novembro. O resultado ficou negativo em 0,13% e a previsão para o mês é de inflação zero. Veja no link abaixo mais perspectivas para a semana no mercado financeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.