Mercado comemora; Bolsa e risco Brasil batem novos recordes

Duas notícias fizeram a tarde dos mercados nesta terça-feira. A primeira delas foi a anúncio de que o governo brasileiro vai quitar, este mês, sua dívida total com o Fundo Monetário Internacional (FMI). A segunda foi o comunicado do Banco Central dos Estados Unidos, que confirmou as expectativas e elevou os juros em 0,25 ponto, além de ter sinalizado que o aperto monetário está perto do fim.O Índice Bovespa fechou em alta de 1,36%, com 33.419 pontos. Operou entre a máxima de 33.432 pontos (+1,40%) e a mínima de 32.835 pontos (-0,41%). Com esse resultado, a bolsa passou a acumular altas de 4,71% em dezembro e de 27,58% em 2005. O volume financeiro ficou em R$ 1,730 bilhão.O risco Brasil caía 5 pontos para 311 pontos base, em novo recorde. E o Global 40 - título da dívida brasileira - atingia cotação recorde. No mercado de juros, o dia foi de queda das taxas.Já o dólar comercial fechou em alta pelo quinto dia útil seguido, de 0,22%, a R$ 2,265, após exibir queda durante a primeira parte dos negócios. A cotação é a mais alta desde 27 de outubro (R$ 2,2910). Essa decisão do Banco Central de pré-pagamento ao FMI pode ser um indicativo de que a instituição continuará tendo espaço para atuar no mercado de câmbio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.