Mercado continua otimista e aposta em queda da inflação

O mercado continua otimista quanto à queda da inflação para 2006. Pelo menos é isso o que aponta a pesquisa Focus, do Banco Central, que registrou nova estimativa de retração da taxa medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 4,33% da semana passada para 4,32% nesta segunda-feira. O resultado marcou a sétima previsão seguida de queda.Com isso, as expectativas de IPCA para este ano ficaram ainda mais abaixo da meta central de inflação, fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em 4,50%. Para 2007, as estimativas da inflação estão estáveis em 4,5% pela 39ª semana seguida. A previsão equivale ao centro da meta, já estabelecido pelo CMN para o ano que vem. Para junho próximo, as previsões seguiram estáveis em 0,25%. Há quatro semanas estas projeções estavam em 0,27%.Selic Apesar da expectativa de que a inflação caia, as projeções de mercado para a taxa de básica de juros (Selic, atualmente em 15,75% ao mês), permaneceram em 15,25% para este mês - que embute a expectativa de que a próxima reunião do Conselho de Política Monetária (Copom), a ser realizada nos dias 30 e 31 deste mês, corte o indicador em 0,5 ponto porcentual. Há quatro semanas, o mercado ainda contava com uma possibilidade corte de 0,75 ponto porcentual. A taxa, com isso, passaria dos atuais 15,75% para 15% ao ano. Para o fim do ano, as expectativas de juros continuaram estáveis em 14% pela quinta semana consecutiva.Dólar O mercado apostou ainda pela terceira vez consecutiva em uma nova desvalorização do dólar. Segundo as projeções anunciadas nesta segunda, a moeda norte-americana deve ficar em R$ 2,10 no final de junho, e não mais em R$ 2,11, previstos na semana anterior. Já para o fim de maio, as previsões de câmbio continuaram estáveis em R$ 2,10. Para o final do ano, as expectativas de mercado para a taxa de câmbio também não se alteraram, ficando em R$ 2,20 pela nona semana seguida.PIB Pela segunda vez consecutiva, a Focus constatou um aumento nas projeções de mercado para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que deve avançar 3,57% em 2006, e não mais 3,51%, anunciados na última semana. Apesar da elevação, o porcentual estimado ainda é inferior aos 4% esperados pelo próprio BC. As previsões de aumento da produção industrial neste ano, por sua vez, permaneceram em 4,50% pela terceira semana seguida. Para 2007, as estimativas de expansão do PIB continuaram estáveis em 3,70% pela quinta semana consecutiva. As expectativas de mercado para o crescimento da produção industrial no próximo também não se alteraram e prosseguiram em 4,50% pela sexta semana seguida.Dívida As projeções de mercado para a dívida líquida do setor público em 2007 subiram de 49% para 49,10% do PIB. Para este ano, as estimativas de mercado para a dívida líquida continuaram estáveis em 50,50% do PIB pela 11º semana consecutiva. O porcentual é um pouco superior aos 50% do PIB projetados pelo próprio BC. Balança e conta correnteA pesquisa do BC constatou ainda que as projeções para o superávit da balança comercial neste ano caíram de US$ 40,32 bilhões para US$ 40,28 bilhões. As estimativas de superávit em conta corrente para este ano, por sua vez, ficaram estáveis em US$ 9 bilhões pela 13º semana consecutiva. Para 2007, as projeções do saldo da balança prosseguiram em US$ 36 bilhões pela segunda semana consecutiva. As estimativas para a conta corrente para o mesmo período continuaram em US$ 4,50 bilhões pela quinta semana consecutiva. Investimento estrangeiroJá as estimativas para o fluxo de investimento estrangeiro direto (IED) neste ano subiram de US$ 15,40 bilhões para US$ 15,50 bilhões, representando a terceira elevação consecutiva destas previsões, que estavam em US$ 15 bilhões há quatro semanas. Apesar das altas, as estimativas ainda continuam abaixo dos US$ 18 bilhões projetados pelo próprio BC. Para 2007, as estimativas de fluxo de IED aumentaram de US$ 16,30 bilhões para US$ 16,40 bilhões. Apesar da elevação, o valor projetado ainda é inferior aos US$ 16,50 bilhões estimados há quatro semanas. Este texto foi atualizado às 11h21.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.