Mercado cria 78 mil postos de trabalho em agosto

Foi mais uma vez positivo em agosto o saldo líquido do nível de emprego formal - diferença entre o número de empregados despedidos e admitidos com carteira assinada. No mês passado foram criados, em todo o País, 78.022 novos postos de trabalho. No acumulado do ano, a criação de empregos atingiu 819.999 vagas. No mesmo período do ano passado tinham sido abertas 692.702 empregos formais. Os números foram divulgados pelo Ministério do Trabalho.Os dados sobre novas contratações e demissões de trabalhadores são fornecidos mensalmente ao Ministério pelas empresas formalmente constituídas. Eles não se confundem com os índices de emprego pesquisados por instituições como o IBGE. As pesquisas avaliam a proporção de pessoas que procuram emprego e não conseguem encontrar. O índice de desemprego pode crescer, mesmo ocorrendo aumento do número de postos de trabalho, se a procura é maior do que a oferta de vagas.Os técnicos do governo afirmaram que, em agosto, houve expansão da oferta de emprego em todos os setores da economia, com exceção da agricultura. Nesse setor, foram fechadas 10.469 vagas no mês passado. A criação de postos de trabalho foi mais alta no setor de serviços (38.911 novas vagas) e no comércio (mais 26.580 oportunidades de emprego). Também a indústria de transformação seguiu a tendência de crescimento da oferta de emprego, computando um saldo líquido de 17.457 novas ocupações. Em termos regionais, e considerando números absolutos, a elevação do nível de emprego formal foi maior nos Estados de São Paulo (mais 17.933 postos), Rio de Janeiro (mais 9.301), Paraná (mais 6.705), Pernambuco (mais 6.187) e Santa Catarina (mais 6.042 vagas).

Agencia Estado,

26 de setembro de 2002 | 20h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.