Mercado de juros de pé atrás com reunião do Copom

O mercado de juros manteve o pé atrás nesta quarta-feira e continuou reavaliando os prêmios de seus contratos, contando com a possibilidade de o Comitê de Política Monetária (Copom) adotar uma postura conservadora e manter a Selic nos atuais 15,25%. O fato é que, em contraste com a aposta otimista que vigorava há cerca de duas semanas, agora as expectativas estão divididas em manutenção da Selic e redução de apenas 0,25 ponto porcentual. O Copom reúne-se no dia 14. Os juros subiram mais um pouco na BM&F e também nas operações com títulos públicos do Tesouro no mercado secundário. Na BM&F, o contrato futuro para outubro, o mais negociado, passou a projetar taxa de 15,62% ao ano, de hoje ao vencimento, ante 15,54% de ontem. No final da tarde, uma notícia deu certo alento ao mercado de juros, que imediatamente partiu para as compras na negociação eletrônica, provocando recuo nas taxas. Foi a deflação registrada pelo IGP-M na primeira prévia de fevereiro, de 0,05% (IPA de -0,25%; IPC, +0,30%; e INCC, +0,16%). Ontem, chegaram a circular rumores no mercado de que o resultado seria ruim, o que afetou os negócios. Pode ser que a não comprovação dos boatos melhore o humor dos investidores amanhã. Vinte minutos depois de divulgado o IGP-M, a taxa do DI outubro, que tinha fechado em 15,62%, estava em 15,57% na negociação eletrônica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.