Mercado de Londres será beneficiado por regulação, diz Brown

UE fecha acordo para reformar sistema financeiro e Sarkozy afirma que projeto deve ser expandido no futuro

Cynthia Decloedt, da Agência Estado, e Dow Jones,

19 de junho de 2009 | 12h30

A City londrina deve ser beneficiada pelo estabelecimento de um regulador financeiro, embora os 27 países do bloco tenham ainda de trabalhar duro para fortalecer as regras comuns do mercado, disse o primeiro-ministro Gordon Brown. "Uma supervisão apropriada entre países é do interesse do Reino Unido", afirmou Brown.

 

Veja também:

linkUE fecha acordo para reformar sistema financeiro

linkCongresso dos EUA resiste a aumentar o poder do Fed

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

O Reino Unido vinha fazendo forte oposição à uma regulação centralizada. O país queria garantir que os novos supervisores não tivessem o poder de ditar gastos prioritários dos Estados, que são de domínio dos países na União Europeia.

 

Pelo acordo político fechado na quinta-feira pelos líderes da União Europeia, um novo órgão de supervisão chamado de Conselho Europeu de Risco Sistêmico irá monitorar as condições de estabilidade do sistema financeiro da União Europeia. Um segundo órgão irá estabelecer os padrões para uma supervisão cuidadosa dos bancos, das agências de rating e das seguradoras.

 

Brown acrescentou que a Comissão da União Europeia, braço executivo da UE, deve centrar-se agora na recuperação do crescimento econômico e melhora do funcionamento dos mercados. "A próxima prioridade da comissão deve ser o crescimento", afirmou. "Precisamos de melhor aplicação das regras comuns dos mercados".

 

França

 

O presidente francês, Nicolas Sarkozy afirmou que o projeto preliminar de regulação e supervisão financeira aprovado pelos líderes da UE deverá ser expandido no futuro, trazendo acréscimos ao compromisso adotado no encontro realizado em Bruxelas.

 

"Criamos uma nova instituição na União Europeia do zero e poderíamos ter ido mais longe, mas acredito que será ampliado (seus poderes) por meio da experiência e da prática, do modo como sempre ocorreu", disse Sarkozy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.