Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Mercado de luxo no Brasil deve girar US$ 4,35 bi no ano

O mercado de luxo no Brasil deve movimentar em 2007 cerca de US$ 4,35 bilhões, um crescimento de 11,5% em relação a 2006, segundo pesquisa realizada pela MCF Consultoria & Conhecimento e o instituto de pesquisa GfK Indicator. Os números são ainda mais expressivos em algumas capitais. Em São Paulo, neste ano, esse tipo de consumo deve aumentar 59%, enquanto no Rio de Janeiro a evolução prevista é de 22%. "A tendência para os próximos anos é que cidades do Norte e Nordeste do País despontem como destinos de investimentos e crescimento", afirma Carlos Ferreirinha, presidente da MCF.Comparado ao restante do mundo, o mercado brasileiro ainda se encontra em fase inicial. De acordo com dados da pesquisa, países emergentes como China, Rússia e Índia apresentam crescimento quatro vezes superior ao registrado no Brasil. "Esses países têm taxas de crescimento que ultrapassam os 45%", compara Ferreirinha. O executivo, que foi presidente da Louis Vuitton no Brasil, destaca que ainda há espaço para crescer. "Ainda há marcas importantes internacionais, como a Hermès, que não estão presentes aqui. Mas essas marcas já perceberam o potencial do Brasil e isso pode ser comprovado com reabertura da Prada na Daslu", afirma.Público ampliado O que antes era exclusivo a uma pequena parcela da população, agora avançou para outros estratos com a globalização. Para a coordenadora do MBA de gestão de luxo da Fundação Armando Álvares Azevedo (Faap), Sônia Helena dos Santos, esse processo trouxe o prestígio para as massas. "Além disso, a globalização aumentou a competitividade das marcas. Hoje elas não estão mais preocupadas com a fidelidade e sim com o lucro", afirma.Segundo ela, a mudança no processo de produção é outro fator que promove o acesso aos produtos de luxo. "Houve um barateamento na produção por causa da tecnologia. E isso é refletido diretamente no preço final do produto", acrescentou.O mercado de luxo vai muito além da moda ou de produtos que visam dar visibilidade ou status. São 35 segmentos que vão desde joalherias a carros, aviões, itens de casa e escritório, vinhos e cuidados pessoais. Pode parecer exagero, mas sobra público para esse tipo de consumo no Brasil. De acordo com dados da Receita Federal, há mais de 50 mil pessoas com renda acima de R$ 1 milhão. É esse contingente que ajuda a engordar os cofres das marcas e movimentar bilhões por ano.

AMANDA VALERI, Agencia Estado

30 de setembro de 2007 | 18h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.