Mercado de trabalho fica estável em quatro regiões pesquisadas, diz IBGE

Reflexos da retomada do setor produtivo só serão percebidos nas próximas semanas 

Fernanda Nunes, da Agência Estado,

23 de agosto de 2012 | 11h41

RIO - O quadro geral do mercado de trabalho em julho em quatro regiões metropolitanas pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é de estabilidade, segundo o gerente da Coordenação de Trabalho e Rendimento, Cimar Azeredo. Ele acredita que o reflexo de uma retomada do setor produtivo só poderá ser percebido nas próximas pesquisas, principalmente de agosto e setembro. Por enquanto, prevalece um quadro de variação da ocupação pouco significativa na comparação com o mês anterior: de 0,1% em São Paulo; -2,8% em Porto Alegre; -1,3% em Recife; e 0% em Belo Horizonte, de acordo com dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME).

"O mercado se mostra estável, principalmente na região metropolitana de São Paulo. Nas próximas edições da PME teremos um clareamento do mercado. A resposta final, em julho, é que há queda da desocupação em quase todas as regiões, que não se reverteram em ocupação. Só nos próximos meses, principalmente agosto e setembro, teremos uma visão mais clara do que está acontecendo", afirmou Azeredo.

De junho para julho, o rendimento médio real da população ocupada caiu em três regiões pesquisadas. A queda foi de 1,1% em São Paulo; de 1,8% em Belo Horizonte; e de 3,5% em Recife. Em Porto Alegre, o índice manteve-se estável. Puxaram a queda do rendimento os setores de serviços e militares ou funcionários públicos estatutários.

O emprego com carteira de trabalho continua estável na comparação com o mês anterior, em três das quatro regiões pesquisadas. Em São Paulo, avançou 0,9% e em Belo Horizonte, 0,8%. Em Recife, caiu 0,4%, enquanto em Porto Alegre caiu 2,9%. Na região metropolitana de Porto Alegre, a ocupação na indústria também apresentou resultado negativo, de queda de 4,5% ante junho.

Tudo o que sabemos sobre:
IBGEdesempregomercado de trabalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.