Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercado: destaque para alta das ações de teles

Às vésperas do leilão das bandas C, D e E de telefonia celular, os movimentos de hoje agitaram a Bolsa. Hoje, por força de uma liminar concedida a uma ação popular impetrada na 1ª Vara da Justiça Federal em São Paulo, foi suspensa a sessão de recebimento das propostas para a licitação de venda da banda C do Sistema Móvel Pessoal. Com isso, houve grande movimentação de compra de ações das empresas de telefonia celular. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 0,34%, com grande volume de negócios, apesar do feriado de aniversário da cidade de São Paulo, que paralisará os mercados amanhã. As expectativas de queda nos juros nos Estados Unidos aumentaram o entusiasmo dos investidores no mercado de juros. O raciocínio é que se os juros caírem na reunião do FED - o banco central norte-americanos -, dias 30 e 31, o Comitê de Política Monetária (Copom) também deve reduzir os juros brasileiros. O Copom reúne-se dias 13 e 14 de fevereiro para definir o patamar da Selic, a taxa básica referencial da economia, atualmente em 15,25% ao ano. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 15,610% ao ano, frente a 15,680% ao ano ontem. E o dólar fechou em R$ 1,9710, com alta de 0,41%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede as ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,03%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - em alta de 0,66%.

Agencia Estado,

24 de janeiro de 2001 | 18h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.