André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Mercado diminui novamente expectativa para juros e inflação em 2017

Segundo Relatório Focus, projeção para a Selic no fim de 2017 caiu de 9% para 8,75% ao ano; expectativa para o IPCA foi de 4,12% para 4,10%

Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

03 de abril de 2017 | 08h57

BRASÍLIA - O mercado financeiro reduziu pela quarta semana consecutiva a expectativa para o IPCA em 2017. A pesquisa Focus realizada semanalmente pelo Banco Central mostra que a mediana para o IPCA - o índice oficial de inflação - em 2017 caiu de 4,12% para 4,10%. Há um mês, quando a sequência de quedas começou, a previsão estava em 4,36%. Analistas ainda voltaram a prever que o ciclo de afrouxamento realizado pelo Comitê de Política Monetária (Copom) será ainda mais intenso: a mediana das previsões para o patamar do juro básico no fim deste ano caiu de 9,00% para 8,75% ao ano.

Para 2018, a expectativa permaneceu em 8,50% a.a. pela segunda semana seguida. Há um mês, o mercado esperava Selic em 9,25% e 9% anuais, respectivamente, no fim de 2017 e 2018. No mesmo relatório Focus, a expectativa de Selic média em 2017 caiu de 10,41% para 10,38% ao ano. Há um mês, a mediana da taxa média projetada para o ano era de 10,72%. Para 2018, a previsão de Selic média seguiu em 8,75%, ante 9,00% anuais de um mês antes.

Já a projeção para o IPCA de 2018 permaneceu em 4,50%, número repetido pela 36ª semana consecutiva. As projeções de mercado para este ano, portanto, indicam expectativa de que a inflação desacelere ainda mais se afastando do centro da meta de 4,50%.

A inflação suavizada para os próximos 12 meses foi em trajetória contrária e subiu marginalmente, de 4,55% para 4,57% de uma semana para outra - há um mês, estava em 4,56%.

Para os índices mensais mais próximos, a estimativa para março de 2017 indica previsão de alta de 0,23%. Um mês antes, estava em 0,30%. No caso de abril, a previsão de inflação do Focus caiu de 0,43% para 0,40%, ante 0,45% de quatro semanas atrás.

PIB. A mediana das expectativas para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017 seguiu em 0,47%. Há um mês, a perspectiva era de avanço de 0,49%. Para 2018, a estimativa para o crescimento da economia permaneceu em 2,50% pela segunda semana seguida. Quatro semanas atrás, a expectativa estava em 2,39%.

No mesmo relatório Focus, as projeções para a produção industrial registraram queda marginal. O avanço projetado para o setor em 2017 recuou de 1,22% para 1,20%. Há um mês, estava em 1,09%. Para 2018, a estimativa de crescimento da produção industrial também cedeu e passou de 2,10% para 2,06%. Quatro semanas antes, essa previsão era de 2,19%.

Já a projeção para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para 2017 seguiu em 51,70%. Há um mês, estava em 51,50%. Para 2018, as expectativas no boletim Focus permaneceram em 55,00%, mesma projeção repetida há nove semanas.

Preços administrados. A pesquisa mostrou estabilidade nas projeções para a inflação dos preços administrados neste ano e elevação para a expectativa de 2018. A mediana das previsões do mercado para o aumento do conjunto de preços controlados pelo poder público em 2017 seguiu em 5,50% pela quarta semana seguida.

Para 2018, a mediana das estimativas para o conjunto dos preços administrados inverteu a tendência de queda vista nas duas pesquisas anteriores e subiu de 4,55% para 4,60%. Com a elevação, a previsão retornar ao mesmo patamar observado quatro semanas atrás, quando também estava em 4,60%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.