Mercado: dólar bate novo recorde em dia parado

Em mais um dia de poucos negócios nessa semana abreviada pelo feriado de quinta-feira, o dólar bateu novo recorde histórico. No fechamento, a moeda norte-americana estava cotada a R$ 2,4050, com alta de 1,09%, depois de atingir a máxima de R$ 2,4070. Os efeitos pessimistas estenderam-se aos demais mercados. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 0,33%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 20,860% ao ano, frente a 20,650% ao ano ontem. Não há um forte motivo que justifiquem o pessimismo do mercado, mas perduram as preocupações de longo prazo com os efeitos da crise energética, das incertezas em relação à sucessão presidencial do ano que vem, da desaceleração da economia norte-americana e das dificuldades econômicas da Argentina. Hoje, inclusive, segundo apuração da correspondente Marina Guimarães, o governo argentino divulgou o déficit nas contas públicas de maio, que, apesar da arrecadação recorde, ficou em US$ 1,11 bilhões. Para cumprir a meta semestral acertada com o Fundo Monetário Internacional (FMI), as contas em junho devem fechar com um superávit de US$ 200 milhões.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em alta de 1,05%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em alta de 0,24%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou praticamente estável, com queda de 0,04%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.