''Mercado dos EUA ficou barato para os brasileiros''

ENTREVISTA - Mayi De La Vega, fundadora da ONE Sotheby"s International

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2011 | 00h00

As imobiliárias da Flórida estão de olho nos brasileiros. Aproveitando os preços baixos, clientes do Brasil compram cada vez mais casas e apartamentos em Miami e outras cidades, segundo Mayi De La Vega, fundadora da ONE Sotheby"s International, uma das maiores imobiliárias dos EUA. A seguir, trechos da entrevista.

Cresceu o número de brasileiros comprando imóveis por meio de sua imobiliária em Miami?

O fluxo de compradores do Brasil se intensificou a partir do segundo trimestre do ano passado. Com os preços muito baixos, os brasileiros viram boa oportunidade de adquirir um imóvel em Miami. Neste período, as vendas aumentaram.

Por que os brasileiros se tornaram importantes nesse setor em Miami?

Desde a queda no mercado imobiliário, os preços caíram entre 30% e 40%. Miami oferece praias bonitas, segurança, vida noturna e excelentes oportunidades para consumo. Há voos de Belo Horizonte, Rio, São Paulo, Recife, Salvador, Manaus e Brasília. Para completar, o real está muito forte e o mercado dos Estados Unidos ficou barato para os brasileiros.

Os brasileiros preferem pagar à vista ou parcelado?

Alguns pagam à vista e outros optam por financiamento.

Seria uma combinação dos dois. Financiamento para estrangeiros (nos EUA) está mais fácil e as taxas de juros reduzidas. A hipoteca aqui é bem mais baixa que no Brasil.

Os brasileiros compram mais como investimento ou lazer?

Pelas duas razões. Eles sempre querem uma propriedade que possam usar quando estiverem em Miami, ao mesmo tempo que os permite vender a um preço mais elevado no futuro.

Os preços em Miami estão crescendo ou diminuindo?

Nos últimos meses, os preços começaram a crescer.

Qual o perfil dos compradores brasileiros?

Um executivo ou profissional liberal com segurança financeira. São investidores sofisticados que sabem o que querem e o quanto querem gastar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.