'Mercado é abrangente e está em ascensão'

A coordenadora do curso de ciências biológicas da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Silvia Mitiko Nishida (foto abaixo), conta que o Instituto de Biociências da Unesp oferece a formação nas modalidades bacharelado e licenciatura, com vestibulares distintos.

CRIS OLIVETTE, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2014 | 02h07

Ela diz que, se a meta do aluno é ser biólogo, ele deverá escolher o bacharelado. Mas, se ele quiser atuar como professor de ciências no ensino fundamental, ou de biologia no ensino médio, deverá escolher a modalidade licenciatura.

Silvia afirma que o estudante de biologia deve, acima de tudo, apreciar e respeitar a natureza e todos os seus fenômenos. "Também deve ter curiosidade cientifica e motivação para intervir por meio de pesquisa, ações educativas ou com a construção de diretrizes para a conservação da biodiversidade. Contribuindo, dessa forma, com o enfrentamento dos desafios ambientais, deste século."

A aluna do oitavo semestre do bacharelado da Unesp, Jennifer Tezuka Macedo, conta que sempre se interessou por temas da área de ecologia e conservação. "Biologia sempre foi a disciplina pela qual eu tinha mais afinidade", afirma.

Atualmente, ela faz estágio no laboratório de ecologia de interações multitróficas da Universidade de Campinas (Unicamp). No dia a dia, ajuda a realizar tarefas de campo e contribui nos trabalhos dos pesquisadores do laboratório.

Jennifer diz que também faz pedido de materiais, organiza e agenda reuniões e seminários, faz triagem de material na área de invertebrados e contagem de zooplâncton, entre outras tarefas. "Depois de formada, quero seguir carreira acadêmica."

A professora afirma que tanto os bacharéis quanto os alunos de licenciatura saem aptos a atuar com visão multi e interdisciplinar, tendo por base o rigor científico e ético, valores de respeito ambiental, conservação da biodiversidade e o desenvolvimento da sociedade baseado na autossustentabilidade.

Segundo ela, para atingir esses objetivos, os estudantes adquirem conhecimentos e passam por vivências práticas, além de serem orientados pela teoria da evolução, que contempla a origem e a diversificação dos seres vivos, suas relações ecológicas e filogenéticas, que consiste no estudo da relação evolutiva entre grupos de organismos no espaço e tempo.

"Ao concluir o curso, o bacharel deverá possuir formação diferenciada para atuar em uma das áreas previstas pelo Conselho Federal de Biologia, ou seja, com meio ambiente e biodiversidade, saúde, produção ou biotecnologia. Já o licenciado, deverá possuir plena formação para atuar como professor ou educador em espaços não formais."

Silvia afirma que para os biólogos, o mercado de trabalho é abrangente e está em ascensão. Esses profissionais podem trabalhar prestando assessoria, fazendo pericias, coordenando projetos em empresas públicas e privadas, organizações, ONGs, institutos de pesquisa, zoológicos, jardins botânicos e museus, entre outros.

"Bacharéis e licenciados poderão, ainda, seguir carreira acadêmica e atuar como professor universitário e pesquisador. Para isso, devem dar continuidade a sua formação, realizando pós-graduação em uma determinada área."

Silvia diz que, por conta dos baixos salários dos professores, especialmente na rede pública. a carreira desperta pouco interesse. "Infelizmente, no Brasil o professor não é valorizado como ocorre em muitos países, que investem pesado na educação básica. Aqui, muitos licenciados tendem a completar a formação para obter o título de bacharel, ou seguem a carreira acadêmica universitária."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.