Mercado ensaia melhora, mas não abandona cautela

Depois de passar dois dias na defensiva, o mercado ensaiou uma melhora nesta quarta-feira. O dólar comercial voltou a fechar em queda e encerrou o dia cotado a R$ 2,1520 na ponta de venda das operações, em baixa de 1,01% em relação aos últimos negócios de ontem. Às 18h14, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) está no patamar máximo do dia, em 37.850 pontos, em alta de 1,21%. O dia começou com a perspectiva de que o mercado continuaria reagindo mal ao cenário externo e à crise política no Brasil. A partir do meio da manhã, esta perspectiva começou a mudar em reação à queda dos títulos do governo norte-americano. Porém, os investidores admitem que o cenário continua sendo de cautela e a razão é a mesma dos dias anteriores: nos EUA, são crescentes as evidências de que a alta das taxas deve seguir mais longe do que se imaginava antes. Juros mais altos lá sinalizam risco. Nestes períodos, os investidores tendem a retirar seus recursos de países emergente é o resultado é a queda dos ativos nestes mercados.Além do cenário externo, outro fator de risco, embora considerado baixo para os negócios, é o quadro político. A crise detonada pela entrevista do caseiro que acusa o ministro Palocci piorou depois que foi noticiada a quebra do sigilo do ex-empregado da casa em que a chamada "república de Ribeirão" se reunia em Brasília. A expectativa de que, desta vez, o ministro Palocci acabe deixando o cargo é forte no mercado. Alguns ativos no mercado financeiro já embutem esta expectativa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.