Mercado espera ata do Copom preocupado com EUA

Os mercados brasileiros aguardam hoje a divulgação, por volta das 13h30, da ata da última reunião mensal do Comitê de Política Monetária (Copom), realizada há uma semana, quando foi anunciada a redução de 18,5% para 18% ao ano da Selic, taxa básica referencial de juros da economia. A decisão surpreendeu o mercado, mas foi bem-vinda. O problema é que a crise de confiança nas bolsas norte-americanas reduziu as chances de novos cortes nos juros e chegou a ofuscar até as preocupações com a sucessão presidencial.Ontem as maiores preocupações nos Estados Unidos foram com o possível envolvimento de grandes conglomerados financeiros com as fraudes contábeis divulgadas até agora. As ações de bancos despencaram, e o nervosismo dos últimos dias manteve-se, trazendo quedas nas principais bolsas do mundo inteiro. A previsão dos analistas é que o quadro não melhore até o dia 14 de agosto, prazo dado para que os presidentes de 945 empresas ratifiquem seus balanços, sob pena de sanção pessoal. Até lá, o investidor, que veio perdendo dinheiro com a queda nas bolsas nos últimos dois anos, e que agora se confronta com sérios prejuízos causados por fraudes contábeis, não deve retomar o otimismo, mesmo com o bom desempenho da economia norte-americana. No Brasil, o resultado é uma disparada do dólar, que ontem bateu novo recorde, e a queda livre da Bolsa de Valores de São Paulo. No mercado local, a sucessão presidencial também preocupa, especialmente porque o candidato preferido dos mercados, José Serra (PSDB/PMDB), não pára de cair, enquanto seus adversários vão se distanciando na disputa pelo segundo turno. Novas pesquisas do Ibope devem ser divulgadas a partir de hoje, e a preocupação é grande.Ainda assim, repercutiram bem as declarações da vice-diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Anne Krueger, que ofereceu apoio enfático ao Brasil e às autoridades brasileiras. Embora admitisse que não há nenhum pacote em negociação, deu a entender que o Fundo estaria aberto a um pedido brasileiro, desde que mantida a política econômica.O lançamento do programa de governo do candidato Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, foi um passo numa busca de entendimento com os mercados. Os investidores não parecem acreditar nas garantias de Lula, mas o programa ostenta, com todas as letras, a responsabilidade na administração das contas públicas e na condução da política econômica. É possível, nesses meses que restam, que o candidato consiga conquistar a confiança dos investidores, ou ao menos amenizar os temores que o cercam. De qualquer forma, ainda não é clara a posição do mercado a respeito da candidatura Ciro Gomes, da Frente Trabalhista, que, além de avançar no gosto do eleitorado, conquista aliados políticos importantes. Ele continua exprimindo algumas opiniões que preocupam os investidores, mas as adesões do PFL, que servem como uma garantia de conservadorismo, e os contatos com empresários, estão agradando. Os boatos agora são de que ele tenha alcançado Lula nas pesquisas de opinião, revertendo o quadro esperado pelos especialistas até agora.Fechamentos de ontemO dólar comercial foi vendido a R$ 2,9200 nos últimos negócios do dia, em alta de 0,62% em relação às últimas operações de segunda-feira, oscilando entre R$ 2,8980 e R$ 2,9340. Com o resultado dessa terça-feira, o dólar acumula uma alta de 26,08% no ano e 3,55% em julho. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em queda de 1,49% em 9745 pontos e volume de negócios de R$ 520 milhões. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagam taxas de 22,400% ao ano, frente a 22,480% ao ano segunda-feira. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 27,000% ao ano, frente a 25,200% ao ano negociados segunda-feira.Mercados internacionais Em Nova York, as quedas continuaram firmes. O Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 1,06% (a 7702,3 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York -caiu 4,18% (a 1229,05 pontos). O euro fechou a US$ 0,9912; uma queda de 1,29 %. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, fechou em baixa de 0,38% (363,04 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.