Mercado espera pesquisas em dia tranqüilo

Não se esperam grandes movimentações nos mercados hoje. O pregão espremido entre o feriado de ontem e o final de semana deve reduzir muito o volume de negócios. Além disso, o clima é de calma em função das boas notícias da terça e quarta-feira sobre a economia. No campo político, a maior expectativa é quanto às pesquisas de intenção de voto que devem ser divulgadas no início da semana que vem.Embora o momento seja de apreensão com o futuro político do País, os indicadores da economia anunciados nos últimos dias agradaram os mercados. O PIB do primeiro trimestre ficou melhor do que o esperado, assim como os últimos índices de inflação. E o conteúdo da ata da última reunião mensal do Comitê de Política Monetária (Copom), realizada nos dias 21 e 22 de maio, trouxe esperanças.A partir da análise da equipe econômica na ocasião, o mercado interpreta que há grandes chances de queda da Selic, a taxa básica referencial da economia. Na reunião de maio, a Selic foi mantida em 18,5% ao ano por uma votação apertada entre os membros do Comitê. Prevaleceu a opinião de que se deveria esperar confirmação da tendência de queda da inflação.A maioria dos analistas acredita numa redução entre 0,25 e 0,50 pontos porcentuais na Selic já que as projeções do governo já indicavam espaço para queda sem risco de descumprimento da meta de inflação mesmo com a recente alta do câmbio e dos juros dos títulos brasileiros no exterior. O limite estabelecido pelo governo é de 3,5% com tolerância de dois pontos para mais ou menos no ano de 2002 pelo Índice de Preços ao Consumidor Ampliado (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).Na quarta-feira, os mercados já apresentaram recuperação, mas a cautela ainda predomina. O risco continua sendo político, o que o Copom reconhece. O mercado teme que o próximo governo não mantenha a atual política econômica, trazendo perdas. Assim, a torcida pelo pré-candidato do PSDB é aberta. Mas José Serra está decepcionando nas pesquisas. No início da semana que vem duas pesquisas serão divulgadas. Se a esperada recuperação de Serra não começar, a calma dessa semana pode acabar. Na quarta-feira, o dólar comercial para venda fechou em R$ 2,5140 - uma queda de 0,55% em relação a terça-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) encerrou o dia com alta de 2,02% a 12.985 pontos. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em junho, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), terminaram o dia com taxas de 18,140% ao ano, frente a 18,320% ao ano na terça-feira. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.