coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Mercado espera resultados de medidas do BC

O Banco Central aumentou a quantidade de instrumentos utilizados para tentar acalmar o mercado financeiro. Depois da atuação no mercado à vista e o aumento do compulsório, o Banco Central fará dois leilões de venda conjugada com a compra de dólares. Além disso, o BC também fará duas operações de compra e venda conjugada de LFTs (títulos pós-fixados do Tesouro Nacional). O BC recomprará títulos com vencimento em 2004, 2005 e 2006 e venderá 2002 e depois recomprará 2003 e venderá 2002.Com essas medidas, os especialistas acreditam que a cotação do dólar deverá operar próxima à estabilidade durante a manhã. Mas avaliam que, o mercado deve manter-se cauteloso e atento ao movimento dos C-Bonds (títulos da dívida brasileira mais negociados no exterior) e do risco país. Segundo profissionais, a alta dos juros futuros só perderá a força quando as medidas do BC surtirem um efeito significativo sobre o câmbio.Os analistas ressaltam ainda que a tranqüilidade do mercado vai depender muito do resultado das próximas pesquisas eleitorais. Uma subida do candidato pelo PSDB, José Serra, acompanhada de queda do candidato do PT, Lula, ajudaria muito a diminuir a tensão.O mercado aguarda também com ansiedade a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que acontece amanhã e quarta-feira. Será uma das decisões mais difíceis para a autoridade monetária. Afinal, embora a inflação tenha dado sinais de recuo, o nervosismo no mercado financeiro - especialmente a alta do dólar - poderia até impor uma elevação da taxa de juros. Ainda assim, há quem acredite que o comitê possa arriscar e cortar em 0,25 ponto percentual a taxa Selic, com o objetivo de dar um sinal positivo ao mercado. "Neste momento, manter o juro elevado pode reforçar o ambiente de aversão a títulos públicos, por conta das incertezas em relação ao próximo governo", afirma um operador.Hoje, em entrevista à imprensa, o presidente do BC, Armínio Fraga, afirmou que o Copom vai tentar confirmar se, de fato, a inflação segue caindo. E que, se a resposta for positiva, então pode haver corte de juro. "Nós temos agora nesta semana uma reunião (do Copom) que vai ser das mais interessantes, porque a situação é muito complexa", disse Fraga. Às 11h20, o dólar comercial estava sendo cotado a R$ 2,6900, com queda de 0,96% em relação aos últimos negócios de sexta-feira. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagam taxas de 22,250% ao ano, frente a 23,000% ao ano negociados sexta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 0,99%.Devido ao jogo do Brasil contra a Bélgica na disputa pela Copa do Mundo, houve um atraso no início das atividades desta semana em todo o País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.