Mercado espera últimos lances da eleição

O dólar comercial oscila fortemente, com volume de negócios baixo e concentrado, principalmente em tesourarias de bancos. Porém, nos momentos de maior pressão, quando as cotações chegaram às máximas de hoje, os especialistas identificaram a presença de clientes nas mesas de operações. A avaliação é de que algumas empresas podem estar antecipando compra de divisas para honrar compromissos externos. O BC interveio durante a manhã, mas com uma atuação muito pequena no mercado à vista e com um leilão modesto de linha para exportação, sem muito efeito sobre as cotações.Durante este mês, os vencimentos de dívida externa privada somam mais de US$ 2 bilhões, segundo a maior parte dos analistas. Desse total, a maioria estaria concentrada na segunda quinzena do mês. Também na segunda quinzena, mais precisamente no dia 17, vencem US$ 3,6 bilhões em dívida cambial pública. Com isso, o mercado antevê pressões futuras, o que tira fôlego para uma queda maior neste momento. A isso somam-se as incertezas com a eleição presidencial. Embora o mercado já tenha absorvido a idéia de Luiz Inácio Lula da Silva (PT/PL) sair vencedor, a dúvida que ainda prevalece sobre a existência ou não do segundo turno ressuscita a esperança de que o preferido dos mercados, José Serra (PSDB/PMDB), tenha chances, entre alguns investidores. Alguns falam em aumento da esperança de sucesso do candidato tucano ao fato de a pesquisa Datafolha ter mostrado crescimento de Serra, enquanto Lula se manteve estável.Os investidores estão apreensivos com o debate de hoje na televisão e com a sua repercussão nesse final de campanha. Hoje é o último dia do horário eleitoral gratuito. O debate pode ou não definir a realização do segundo turno. Investidores temem que possa surgir alguma surpresa durante o debate que influencie o voto dos eleitores indecisos e que possa mudar também mudar o voto dos outros eleitores. Por isso, apesar de a bolsa estar em alta, os investidores se mostram muito cautelosos hoje, enquanto aguardam o grande debate.A Bolsa recupera parte da perda de ontem, alimentada em parte pela expectativa de realização de segundo turno nessa quase véspera de eleição. Durante boa parte da manhã, os negócios por aqui foram afetados pela forte volatilidade em Wall Street. Os investidores não sabem para que lado conduzir os negócios. Após uma abertura fraca, as bolsas nos EUA reagiram bem aos indicadores econômicos divulgados, que ficaram acima das expectativas. Mas esse impacto positivo foi ofuscado em vários momentos por previsões de lucros de empresas mais pessimistas.MercadosÀs 15h, o dólar comercial era vendido a R$ 3,6950, em alta de 0,82% em relação às últimas operações de ontem, oscilando entre R$ 3,650 e R$ 3,750. Com esse resultado, o dólar acumula uma alta de 59,54% no ano e 19,19% nos últimos 30 dias.No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em janeiro de 2003 negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros pagavam taxas de 20,840% ao ano, frente a 20,750% ao ano ontem. Já os títulos com vencimento em julho de 2003 têm taxas de 27,300% ao ano, frente a 26,400% ao ano negociados ontem.A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) operava em alta de 2,56% em 9046 pontos e volume de negócios de R$ 260 milhões. Com esse resultado, a Bolsa acumula uma alta de 59,33% em 2002 e 19,03% nos últimos 30 dias. Das 50 ações que compõem o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa -, três apresentam quedas. Mercados internacionais Em Nova York, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - operava em alta de 0,40% (a 7786,4 pontos), e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York -cai 0,70% (a 1178,93 pontos). O euro era negociado a US$ 0,9867; uma alta de 0,03%. Na Argentina, o índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, estava em alta de 1,14% (396,52 pontos). Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.