Mercado estará atento às reformas

A semana que começa, embora maisuma vez curta por causa do feriado do Dia do Trabalho naquinta-feira, está com uma agenda carregada para o mercadofinanceiro. A atenção dos investidores estará dividida entre aspropostas de reforma previdenciária e tributária que chegam aoCongresso na quarta-feira e a divulgação de indicadores decomportamento de preços. O interesse pela agenda política ficará reforçada apartir de agora, com a discussão dos projetos de reforma, e ostrabalhos no Congresso devem influenciar mais acentuadamente orumo dos mercados. Segundo o diretor de Tesouraria do BancoSantos, Clive Botelho, o mercado financeiro estará acompanhandoa discussão das propostas e também a reação do Judiciário nasquestões polêmicas. A tramitação das reformas vai levar meses e o resultadode boa parte das mudanças não será imediato, mas o efeito sobreas expectativas será positivo se o governo for bem-sucedido noCongresso. "A reforma da Previdência é muito importante paraalterar a visão de risco do País", comenta Botelho. Umaperspectiva de redução do déficit público, pelo corte dedespesas com a Previdência, tende a levar à redução do prêmio derisco país, uma taxa adicional sobre os juros que osinvestidores exigem para aplicar no País. Juros - O comportamento dos indicadores de inflação seráoutro foco do mercado, que reforçou a expectativa de queda dosjuros a partir de meados do ano depois que a Petrobras anunciou,semana passada, redução no preço dos combustíveis. Osinvestidores querem saber qual o tamanho da redução para avaliaro impacto nos índices de inflação, diz o executivo do BancoSantos. Mas, animados com o efeito positivo do recuo do dólar eda novidade da Petrobras sobre a inflação, os juros futurosembutidos em todos os contratos negociados na BM&F passaram acorrer bastante abaixo do juro overnight (taxa Selic) de 26,50%ao ano. O juro projetado pelo contrato de DI de janeiro fechousexta-feira em 24,27%; DI de outubro, 24,67%; e DI de julho, omais negociado, 25,68%. A divulgação de indicadores de inflação começa nesta segunda-feira, quando será conhecida a medida pelo IPC da Fipe naterceira quadrissemana de abril, projetada pelo mercado entre 075% e 0,90%. Terça-feira, será anunciada a inflação de abrilpelo IGP-M, estimada em torno de 1%. Na sexta-feira, depois doferiado, será conhecida a ata da última reunião do Comitê dePolítica Monetária (Copom) com explicações sobre a manutenção dojuro básico em 26,50% e a retirada do viés (tendência) de alta. O mercado de câmbio estará acompanhando amanhã adivulgação do resultado da balança comercial apurado na quartasemana deste mês e, na sexta-feira, do saldo fechado de abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.