Mercado estima crescimento de 3,55% do PIB em 2008

Analistas e economistas do mercado financeiro brasileiro elevaram levemente a projeção para a taxa de crescimento da economia do País em 2008. De acordo com pesquisa semanal feita pelo Banco Central, divulgada nesta segunda-feira, 26, analistas estimam que o Produto Interno Bruto (PIB) do País deve se expandir em 3,55% em 2008, ante crescimento de 3,5% projetado para 2007. Estas previsões para o crescimento deste ano vêm se mantendo neste patamar há 30 semanas consecutivas. Havia expectativa de que esta estimativa pudesse ser elevada em função da divulgação, na semana passada, da nova metodologia de cálculo do PIB pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o que não ocorreu. Os cenários para inflação e juros não sofreram alterações. Os analistas continuam apostando que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) avançará 3,87% neste ano e 4% em 2008. Nos dois casos, as projeções estão abaixo do centro da meta fixada pelo governo para os dois anos, que é de 4,5%, com margem de variação de 2 pontos percentuais, para cima ou para baixo. No caso do juro, a estimativa é de que a taxa básica do País, a Selic (atualmente em 12,75% ao ano) encerrará 2007 em 11,5% e cairá para 10,5% ao final de 2008. A Selic, segundo prevêem os economistas, será de 12,5% em abril, o que embute uma expectativa de que o Comitê de Política Monetária (Copom) voltará a reduzir os juros em 0,5 ponto porcentual na reunião dos dias 17 e 18 do mês que vem. IGPsAs projeções do mercado financeiro para a variação do Índice de Preços ao Consumidor da Fipe (IPC-Fipe) neste ano subiram de 3,87% para 3,91%. Para 2008, as estimativas também subiram e avançaram de 3,85% para 3,95%. As estimativas de alta do Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) subiram na mesma pesquisa do BC de 4,05% para 4,07%. Para 2008, as projeções de variação do índice ficaram estáveis em 4% pela quinta semana consecutiva.As previsões do mercado para o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M) deste ano caíram de 4,11% para 4,09%. Para 2008, as estimativas de alta do IGP-M ficaram estáveis em 4%.BalançaPara a balança comercial, os analistas elevaram para US$ 39,60 bilhões a estimativa para o superávit de 2007. Para 2008, o projeção continua sendo de um saldo positivo de US$ 35 bilhões.Apesar da alta na previsão, as estimativas de superávit em conta corrente para este ano seguiram estáveis em US$ 8 bilhões pela terceira semana consecutiva. As previsões de superávit em conta corrente para o próximo ano, em contrapartida, recuaram de US$ 4,60 bilhões para US$ 4,25 bilhões.As projeções para a dívida líquida do setor público neste ano caíram de 48,88% para 48,52% do PIB. A queda ocorreu após a divulgação do novo PIB calculado pelo IBGE. Para 2008, as estimativas de mercado para a dívida líquida recuaram de 47% para 46,50% do PIB. Câmbio e investimentosAs projeções do mercado financeiro para a taxa de câmbio no final do ano não mudaram e ficaram em R$ 2,12. Para o fim deste mês, as estimativas dos economistas para a taxa de câmbio também não foram alteradas e prosseguiram em R$ 2,10. Para o final de abril, as estimativas de câmbio ficaram inalteradas em R$ 2,10. As apostas de câmbio para o fim de 2008 ficaram estáveis em R$ 2,20.Para o fluxo de investimento estrangeiro direto (IED) neste ano, a expectativa ficou estável em US$ 18 bilhões. Para 2008, as projeções de fluxo de IED também não mudaram e prosseguiram em US$ 18 bilhões pela segunda semana consecutiva.(com Gustavo Freire)Matéria alterada às 10h44 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.