Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Mercado europeu amplia declínio diante de crise na Líbia

As bolsas de valores da Europa fecharam em baixa nesta quinta-feira, rumando para a maior queda semanal em quase oito meses, enquanto a crise na Líbia fazia os preços do petróleo subirem ainda mais, alimentando preocupações sobre a inflação e o crescimento econômico global.

REUTERS

24 de fevereiro de 2011 | 14h01

O índice das principais ações europeias FTSEurofirst 300 caiu 0,5 por cento, para 1.145 pontos. O índice acumula queda de 3,5 por cento até agora nesta semana, podendo registrar o maior declínio desde julho.

Os futuros do petróleo Brent atingiram o maior valor desde agosto de 2008 devido a preocupações sobre fornecimento diante da crise na Líbia, país exportador de petróleo.

"Não se pode ver uma resolução rápida para o que está acontecendo, mas eu vejo a queda do mercado como um exagero", disse Caroline Vincent, gestora de fundos da Cavendish Asset Management. "Há preocupações sobre os preços do petróleo e a inflação, mas a Arábia Saudita disse que irá satisfazer a escassez de petróleo."

Companhias muito dependentes do petróleo tiveram a maior queda. A Lufthansa perdeu 2,9 por cento e o International Consolidated Airlines Group -- formado com a fusão entre British Airways e Iberia -- recuou 3,5 por cento.

Em LONDRES, o índice Financial Times fechou em baixa de 0,06 por cento, a 5.919 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 0,89 por cento, para 7.130 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,09 por cento, para 4.009 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,09 por cento, para 21.948 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 avançou 0,13 por cento, para 10.647 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 encerrou em alta de 0,41 por cento, para 7.921 pontos.

(Reportagem de Brian Gorman)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAEUROPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.