Mercado exagera no nervosismo, diz Mantega

O governo procurou mais uma vez demonstrar tranquilidade diante da turbulência do mercado financeiro verificada nesta segunda-feira. ?Os mercados globalizados são nervosos por natureza e, neste momento, vivem um exagero?, disse o ministro do Planejamento, Guido Mantega. Na avaliação dele, a oscilação dos últimos dias está relacionada à possibilidade de elevação das taxas de juros pelo Banco Central dos EUA, o Fed, e também ao conflito no Iraque.Para ele, os mercados estão ?pintando o diabo com cores mais fortes?, mas a tendência é haver um recuo em relação a algumas estimativas, que consideram, por exemplo, uma alta brusca de quatro a cinco pontos porcentuais na taxa de juros norte-americana. Segundo ele, haverá uma correção gradual das taxas de juros norte-americanas e que ela não deverá ultrapassar a um ponto porcentual. ?Os juros dos Estados Unidos devem subir apenas um ponto porcentual, passando de 1% para 2% e esse ajuste já está sendo precificado pelo mercado?, afirma.Mantega disse que, confirmado o ajuste gradual de um ponto porcentual, o governo brasileiro não deve modificar a trajetória na condução da política monetária. ?Acredito que o governo não deve mudar sua política?, disse. O Brasil, segundo ele, está menos vulnerável ?a essas intempéries dos mercados?.O ministro citou as reservas líquidas de US$ 21 bilhões, as reservas brutas de US$ 50 bilhões e o que chamou de ?pequena rolagem? da dívida externa este ano de US$ 35 bilhões. Além disso, o IPCA está em 5,2%, o superávit comercial é quase o dobro do observado no mesmo período do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.