Mercado fecha apostando na Selic em 19%

O mercado fechou os negócios de hoje convencido de que a Selic - taxa referencial de juros da economia - será mantida nos atuais 19% ao ano. O agravamento da crise argentina, o desaquecimento da economia mundial e as fortes pressões inflacionárias devem favorecer uma postura mais conservadora do Comitê de Política Monetária (Copom). As previsões para este ano são de que a inflação supere a meta estabelecida pelo governo, e, não havendo nova queda nos juros, o resultado para o ano que vem ficará muito próximo do limite máximo da meta.À tarde, os mercados acalmaram um pouco, mas a apreensão com a Argentina ontem e hoje pela manhã foi grande, e o risco país chegou a inacreditáveis 3.171 pontos. Os títulos da dívida pública estão sendo negociados no mercado secundário a muito menos da metade do valor de face, e o próprio ministro da Economia, Domingo Cavallo, admitiu que o país está à beira do abismo. Os investidores ainda esperam um choque pessimista quando for anunciado o colapso da economia, especialmente se o processo for muito conturbado, com desvalorização e forte crise política, por exemplo.As preocupações dessa semana devem-se à operação de troca de títulos da dívida em poder dos credores internos. As perdas financeiras são evidentes, mas a procura tem sido grande, dado o medo de um calote, o que acabaria sendo pior. Hoje o secretário de Finanças, Daniel Marx, confirmou que o prazo para a operação será prorrogado para o dia 30 de novembro e negou os boatos de calote, o que fez o risco país recuar ligeiramente.A prorrogação atendeu a pedidos de investidores preocupados com a comemoração do feriado de Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos amanhã. Também em função do feriado, hoje observou-se sensível redução nos volumes de negócios nos mercados brasileiros, o que deve se repetir amanhã e sexta-feira.Fechamento dos mercadosO dólar comercial para venda fechou em R$ 2,5440, com queda de 0,43%. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - fecharam o dia pagando juros de 20,110% ao ano, frente a 20,370% ao ano ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de 1,23%.O índice Merval da Bolsa de Valores de Buenos Aires fechou em alta de 0,31%. Nos Estados Unidos, o Dow Jones - Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York - fechou em queda de 0,95%, e a Nasdaq - bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York - fechou em queda de 0,93%. Não deixe de ver no link abaixo as dicas de investimento, com as recomendações das principais instituições financeiras, incluindo indicações de carteira para as suas aplicações, de acordo com o perfil do investidor e prazo da aplicação. Confira ainda a tabela resumo financeiro com os principais dados do mercado.

Agencia Estado,

21 de novembro de 2001 | 18h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.